Receba mensagens em seu Email

quarta-feira, 24 de junho de 2015

I João 5 Comentários de George Knight

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica   I João 5
Comentários  de  George Knight

Em 1 João 5 o apóstolo retoma muitos de seus temas favoritos ao apresentar seus argumentos finais contra os perturbadores mentirosos “sem pecado”. A primeira metade do capítulo levanta a questão da Trindade novamente tendo em vista a negação de que Jesus é o Cristo divino. As pessoas que negam a Jesus não têm a vida eterna, porque “essa vida está em Seu Filho. Quem tem o Filho, tem a vida; quem não tem o Filho de Deus, não tem a vida” (5:11, 12). Uma das grandes tentações ao longo da história da igreja tem sido a de fazer de Jesus ou totalmente humano ou totalmente divino ao invés de aceitá-Lo como a pessoa absolutamente única que Ele é. É o fato de que Ele é ao mesmo tempo plenamente humano e plenamente divino que lhe possibilita ser o Salvador do mundo (ver Heb. 1, 2).

Um segundo tema levantado na primeira metade do capítulo 5 é uma visão adicional sobre a relação entre o amor e os mandamentos de Deus. Aqui encontramos uma das mais importantes contribuições de João à compreensão cristã a respeito de como viver responsavelmente. Diariamente devemos refletir sobre esse tema à medida que procuramos determinar o que significa ser um cristão, o que significa desenvolver um caráter semelhante ao de Cristo.

A segunda metade do capítulo destaca novamente o problema com o qual o livro começou: o pecado e suas implicações. Mas aqui o apóstolo enfatiza a diferença entre “pecado que leva à morte” e “pecado que não leva à morte” (5:17 NVI). “Toda injustiça é pecado”, ele afirma, “mas há pecado que não leva à morte” (5:17 NVI). E que pecados são esses que não levam à morte? Os que são confessados (1:9). Deus ouve nossas penitentes orações e as responde (5:14, 15). Tais pessoas não vivem vidas em rebelião, porque são nascidos de Deus (5:18; cf. 3:6, 9, à luz de 3:4).

E o que 1 João significa para a minha vida? Que eu devo ser honesto comigo e com Deus sobre mim mesmo e minhas faltas; que eu tenha por certo que Jesus é o Cristo plenamente divino; que eu deixe Deus aperfeiçoar Seu caráter de amor em mim enquanto me relaciono com meus companheiros membros da igreja e com o mundo ao meu redor. Isso é o que João chama de “vida eterna” (1:2; 2:25; 3:15; 5:11, 13, 20).

George Knight
Estados Unidos


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...