Receba mensagens em seu Email

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Jó 11 Comentários Pr Heber Toth Armí

JÓ 11
Comentários Pr Heber Toth Armí

 Mesmo em nossos melhores dias não é agradável ouvir um duro discurso incriminador, empapuçado de sentimentos negativos... quanto mais nos piores dias de nossa vida! Pior ainda quando as palavras ferinas são proferidas pelas pessoas que esperamos compreensão e clemência!

O que Zofar, o terceiro amigo que permanecera calado até agora, diz a Jó em seu primeiro discurso?

1. Zofar introduziu seu discurso recriminando indelicadamente a Jó, discordando veementemente de seus discursos. Após tantas inquisições repressoras ele diz a seu amigo que desejaria que Deus lhe respondesse a fim de que ele percebesse que ainda não tinha recebido tudo o que realmente merecia (vs. 1-6).

2. Zofar passou a filosofar sobre Deus com presunção, autoritarismo e crítica mordaz. Após descrever a transcendência e a imanência divina, a força de sua retórica tencionava amordaçar Jó, afirmando que, para ser sábio com declarações como as dele seria possível somente quando uma mula parisse um homem (vs. 7-12).

3. Zofar encerrou seu discurso na mesma linha dos outros amigos: Elifaz e Bildade. Partindo do pressuposto que Jó era terrível pecador, apelou a que buscasse a Deus por ajuda e perdão com coração verdadeiramente arrependido, então, encontraria restauração; do contrário, seria ímpio que despencaria ladeira abaixo até cair desgraçadamente num túmulo (vs. 13-20).

Zofar fervilhava de raiva ao proferir seus argumentos. Por mais que no fim apresentasse um Deus capaz de readmitir um pecador arrependido, seu julgamento em relação à Jó estava mais para “caso perdido”.

Francis I. Andersen diz sobre Zofar que “não há sequer um sopro de compaixão no seu discurso [...]. A desaprovação de Zofar demonstra quão pouco escutou o coração de Jó. Sua repreensão acusadora revela quão pouco sentiu a mágoa de Jó”. Ele acusou Jó “de ser tagarela (vv. 2-3), justo em seus próprios méritos (4-6), convencido (7-12) e recalcitrante (13-20)”.

O que Deus pensa de nós pode ser bem diferente do que amigos íntimos dizem sobre nós. A sabedoria divina difere infinitamente da sabedoria humana (vs. 5-6, conf. 1:8; 2:3).


 Portanto...
• ...antes de julgar alguém, precisamos tirar grandes vigas de nossos próprios olhos. 
• ...se não for para edificar, melhor ficarmos com a boca fechada.
• ...é melhor arrazoar sobre Deus apenas quando estivermos refletindo Seu caráter.

Busquemos discernimento para agir corretamente! – Heber Toth Armí

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

JÓ 10 – Comentários Heber Toth Armí

JÓ 10 
Comentários Heber Toth Armí

Perder um filho gera uma dor incompreensível na alma, quanto mais perder uma dezena! Além de perder todos os filhos, Jó perdeu toda sua fazenda e toda sua saúde. Seu sentimento era mais que mero luto. Sua dor era inexplicável!

Jó não sofria devido a algum pecado específico, ou por afastar-se de Deus e de Sua vontade. Não! Muito pelo contrário, assim como Jesus, ele sofria por ter vivido retamente. Se Jó não era culpado, qual, então, era a razão de tanto sofrimento? O diabo está como leão procurando algum servo de Deus para devorar – Relembre os primeiros capítulos!
Satanás fazia Jó sofrer demasiadamente, porém, ele não sabia o que havia nos bastidores. Com isso em mente, tente ser empático com Jó, que, neste capítulo...

1. Levanta grandes queixas contra Deus (vs. 1-7);

2. Filosofa nostalgicamente sobre seu passado (vs. 8-12);

3. Expõe ideias estranhas sobre Deus em relação à sua miséria (vs. 13-17);

4. Preocupa-se com sua existência e, principalmente, seu fim (vs. 18-22).
O sábio Jó do oriente perdeu até a sabedoria. Ele não entendia a razão de seu sofrimento, nem o motivo de sua existência e nem mesmo entendia seu Deus, o Criador do Universo.

Esmagados de todos os lados, o sofredor fica só o pó. Moído pela dor e espremido pela angústia, a autoestima vai ao chão; qualquer motivação desaparece, e, até a fé fica turva. Porém, Jó não desistiu de Deus.

• Não dizemos coisas feias de Deus com bem menos sofrimento que experimentou Jó?

• Não falamos inúmeras besteiras quando estamos sendo ferozmente torturados pela dor e aflição na alma?

Algumas considerações são importantes para reflexão. Pelas colocações de Jó neste capítulo, fique alerta: NÃO...

• ...leve a sério tudo o que alguém alterado, amargurado e extremamente aflito fala; principalmente suas idéias esquisitas sobre Deus.

• ...considere que tudo o que um sofredor no extremo da dor diga sobre sua origem, sua história e sua morte.

• ...tente argumentar com alguém que está variado por passar pela experiência da dor infernal; questionar seus argumentos vai lhe ferir ainda mais.

Amigos leitores... Vamos tentar ser o intercessor humano que todo sofredor precisa. Vamos conduzir os sofredores ao Libertador divino que o coração aflito tanto almeja: Jesus Cristo!

Muita gente precisa de Jesus... – Heber Toth Armí

https://www.facebook.com/palavravivaeficaz/

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Jó 9 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 9
Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Deus transforma males em bens. Satanás tornara os amigos de Jó em amigos da onça, sem saber que, por pior que fossem, Deus os usaria para o bem!

G. Ernest Whright observou que, “segundo o pensamento do Antigo Testamento, a maior maldição que pode recair sobre o homem é estar sozinho”. John Milton também declarou: “A solidão é a primeira coisa que o olho de Deus determinou não ser boa”.

Jó, felizmente, não estava sozinho. Deus transforma maldições em bênçãos. O inimigo faz estragos; entretanto, das cinzas Deus faz reparos. Devido aos confrontos filosóficos dos amigos de Jó, este foi forçado a ir além de sua dor; passou a pensar na grandeza do Criador, além de extravasar-se diante deles (vs. 1-4).

Jó desviou a atenção da grandeza de sua desgraça, então percebeu a grandiosidade de Deus, o qual é maior que a imensidão de Sua criação e de sua dor. Segundo a teologia de Jó, DEUS...

• ...sacode grandes montanhas, põe tudo de cabeça para baixo, abala a terra como se fosse brinquedinho (vs. 5-6);

• ...tem poder sobre o sol e as estrelas, os imensos astros siderais, as constelações, e anda sobre grandes tsunamis (vs. 7-9);

• ...faz grandes coisas, quaisquer milagres Lhe são simples demais, porém Suas obras são grandes demais aos olhos humanos – Ele é maior que elas, mas invisível (vs. 10-11);

• ...faz o que quiser, sem precisar dar satisfação a ninguém e sem que ninguém O impeça ou esteja à altura para questionar-Lhe Seus desígnios (vs. 12-14).

Sentindo-se humilhado, menor que um átomo diante de Deus, Jó esqueceu-se de suas queixas em prol de sua dor, para reconhecer sua necessidade de um mediador.
JÓ...

• ...viu a necessidade de suplicar misericórdia a Deus, sem pretensão de requerer seus direitos (vs. 15-18);

• ...reconheceu que sua mais elevada sabedoria é insuficiente para arguir perante Deus, seus fortes argumentos são insignificantes perante o Soberano do Universo (vs. 19-20);

• ...embora sábio, revelou ser extremamente limitado em conhecimento (vs. 21-24);

• ...fragilizado pela desgraça que lhe acometera, reconheceu sua efemeridade e insignificância (vs. 25-31);

• ...revelou que (sem a revelação que temos), desconhecia a existência de um Sumo Sacerdote que intercede em favor do condenado (vs. 32-35).
Jesus é intercessor do pecador (1 Timóteo 2:5). Apresentemos-Lhe nossa causa!

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí

Jó 9 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 9
Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Deus transforma males em bens. Satanás tornara os amigos de Jó em amigos da onça, sem saber que, por pior que fossem, Deus os usaria para o bem!

G. Ernest Whright observou que, “segundo o pensamento do Antigo Testamento, a maior maldição que pode recair sobre o homem é estar sozinho”. John Milton também declarou: “A solidão é a primeira coisa que o olho de Deus determinou não ser boa”.

Jó, felizmente, não estava sozinho. Deus transforma maldições em bênçãos. O inimigo faz estragos; entretanto, das cinzas Deus faz reparos. Devido aos confrontos filosóficos dos amigos de Jó, este foi forçado a ir além de sua dor; passou a pensar na grandeza do Criador, além de extravasar-se diante deles (vs. 1-4).

Jó desviou a atenção da grandeza de sua desgraça, então percebeu a grandiosidade de Deus, o qual é maior que a imensidão de Sua criação e de sua dor. Segundo a teologia de Jó, DEUS...

• ...sacode grandes montanhas, põe tudo de cabeça para baixo, abala a terra como se fosse brinquedinho (vs. 5-6);

• ...tem poder sobre o sol e as estrelas, os imensos astros siderais, as constelações, e anda sobre grandes tsunamis (vs. 7-9);

• ...faz grandes coisas, quaisquer milagres Lhe são simples demais, porém Suas obras são grandes demais aos olhos humanos – Ele é maior que elas, mas invisível (vs. 10-11);

• ...faz o que quiser, sem precisar dar satisfação a ninguém e sem que ninguém O impeça ou esteja à altura para questionar-Lhe Seus desígnios (vs. 12-14).

Sentindo-se humilhado, menor que um átomo diante de Deus, Jó esqueceu-se de suas queixas em prol de sua dor, para reconhecer sua necessidade de um mediador.
JÓ...

• ...viu a necessidade de suplicar misericórdia a Deus, sem pretensão de requerer seus direitos (vs. 15-18);

• ...reconheceu que sua mais elevada sabedoria é insuficiente para arguir perante Deus, seus fortes argumentos são insignificantes perante o Soberano do Universo (vs. 19-20);

• ...embora sábio, revelou ser extremamente limitado em conhecimento (vs. 21-24);

• ...fragilizado pela desgraça que lhe acometera, reconheceu sua efemeridade e insignificância (vs. 25-31);

• ...revelou que (sem a revelação que temos), desconhecia a existência de um Sumo Sacerdote que intercede em favor do condenado (vs. 32-35).
Jesus é intercessor do pecador (1 Timóteo 2:5). Apresentemos-Lhe nossa causa!

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí

Jó 8 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 8
Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Deus transforma males em bens. Satanás tornara os amigos de Jó em amigos da onça, sem saber que, por pior que fossem, Deus os usaria para o bem!

G. Ernest Whright observou que, “segundo o pensamento do Antigo Testamento, a maior maldição que pode recair sobre o homem é estar sozinho”. John Milton também declarou: “A solidão é a primeira coisa que o olho de Deus determinou não ser boa”.

Jó, felizmente, não estava sozinho. Deus transforma maldições em bênçãos. O inimigo faz estragos; entretanto, das cinzas Deus faz reparos. Devido aos confrontos filosóficos dos amigos de Jó, este foi forçado a ir além de sua dor; passou a pensar na grandeza do Criador, além de extravasar-se diante deles (vs. 1-4).

Jó desviou a atenção da grandeza de sua desgraça, então percebeu a grandiosidade de Deus, o qual é maior que a imensidão de Sua criação e de sua dor. Segundo a teologia de Jó, DEUS...

• ...sacode grandes montanhas, põe tudo de cabeça para baixo, abala a terra como se fosse brinquedinho (vs. 5-6);

• ...tem poder sobre o sol e as estrelas, os imensos astros siderais, as constelações, e anda sobre grandes tsunamis (vs. 7-9);

• ...faz grandes coisas, quaisquer milagres Lhe são simples demais, porém Suas obras são grandes demais aos olhos humanos – Ele é maior que elas, mas invisível (vs. 10-11);

• ...faz o que quiser, sem precisar dar satisfação a ninguém e sem que ninguém O impeça ou esteja à altura para questionar-Lhe Seus desígnios (vs. 12-14).

Sentindo-se humilhado, menor que um átomo diante de Deus, Jó esqueceu-se de suas queixas em prol de sua dor, para reconhecer sua necessidade de um mediador.
JÓ...

• ...viu a necessidade de suplicar misericórdia a Deus, sem pretensão de requerer seus direitos (vs. 15-18);

• ...reconheceu que sua mais elevada sabedoria é insuficiente para arguir perante Deus, seus fortes argumentos são insignificantes perante o Soberano do Universo (vs. 19-20);

• ...embora sábio, revelou ser extremamente limitado em conhecimento (vs. 21-24);

• ...fragilizado pela desgraça que lhe acometera, reconheceu sua efemeridade e insignificância (vs. 25-31);

• ...revelou que (sem a revelação que temos), desconhecia a existência de um Sumo Sacerdote que intercede em favor do condenado (vs. 32-35).
Jesus é intercessor do pecador (1 Timóteo 2:5). Apresentemos-Lhe nossa causa!

Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Jó 8 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 8

Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Falamos tantas bobagens quando pensamos que somos donos da verdade!

Após abrir a boca e gritar a alto e bom som, Jó se calou e esperou por palavras de ânimo, esperança e atitudes de compaixão e compreensão. Então, Bildade irrompe o silêncio com seus perspicazes argumentos filosóficos/teológicos.

Após Jó falar que sua vida apagava-se de uma forma horrorosa (capítulo 7), Bildade expôs-lhe a razão nua e crua segundo seu ponto-de-vista: “Bildade retrata a horrorosa punição do perverso como a luz que se apaga (vv. 5-6), a ave pega na armadilha (vv. 7-10), o criminoso caçado (vv. 11-13), a tenda que vem abaixo (vv. 14-15) e árvore que seca (vv. 16-17)” (Warren W. Wiersbe).

Palavras cruéis, ferinas e humilhantes saem como flechas da boca dos que arrotam possuir todas as respostas. “Após acusar Jó de vociferar palavras irresponsáveis, Bildade defende a justiça de Deus em punir o perverso e recompensar o justo. Além disso, afirma, com tremenda indelicadeza, que os filhos de Jó morreram porque pecaram contra Deus” (William MacDonald).
• Forte, não?

A razão de nossa indelicadeza no falar está nos falsos conceitos que estão em nossa mente, eles explodem em nossas palavras e atitudes. “Bildade compartilhava os falsos conceitos de seus companheiros; por isso, teve dificuldades para condoer-se de Jó” (Carol Ann Mayer-Marlow).

Às vezes não importa a exposição teológica, mas a forma de lidar com quem carece de consolo, compaixão e empatia. “Quando as pessoas sofrem, elas não desejam um debate teológico e argumentativo. Precisamos lembrar-nos deste fato quando procuramos ajudar os que se acham envoltos em pesar. Eles necessitam de alguém que lhes segure a mão e ouça suas exclamações de dor”, explica Mayer-Marlow.
• Concordas?

Podemos crescer muito como cristãos estudando o livro de Jó: “Precisamos considerar aqueles que sofrem, não como ilustrações abstratas do grande conflito, mas como pessoas reais. Eles almejam que os aceitemos como pessoas íntegras, e não como seres inferiores que estão sendo submetidos a castigos por causa de pecados em sua vida. O sentimento de culpa só tende a exacerbar o sofrimento” (Mayer-Marlow).

Sofredores precisam de crentes verdadeiramente...
• Amorosos;
• Atenciosos;
• Altruístas;
• Simpáticos;
• Empáticos;
• Positivos;
• Dedicados;
• Comprometidos;
• Visionários;
• Consagrados.

Devemos refletir o caráter de Deus aos sofredores! Precisamos ser cristãos reavivados biblicamente, transformados pela graça! Ativos... Heber Toth Armí /       


segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Jó 7 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 7

Comentários do Pr. Heber Toth Armí
Nossa fé em meio ao sofrimento é espetáculo ao Universo (I Coríntios 4:9-13). Jó não foi apenas um dos primeiros grandes espetáculos, mas também grande ícone que serviu (ainda serve) de exemplo de fidelidade a Deus quando tudo conspira para abandoná-lO!
Jó aproveitou bem a vida, mas agora estava moribundo visualizando e desejando a morte, considerando-se pior que todos. A vida é efêmera, passa rapidamente, é como um sopro ou nuvem que logo se desfaz... Seu sofrimento acabou com a vida. Para ele...
• ...a vida é dura, comparada à dura escravidão, ou a um trabalhador que só tem míseros salários para receber no fim do mês (vs. 1-3);
• ...as noites eram horríveis, pois quando tentava dormir, debatia na cama à noite toda (v. 4); quando dormia, surgiam pesadelos e visões tão horríveis que o aterrorizavam (vs. 13-14);
• ...a vida não tinha sentido, pois após ter batalhado para viver correta e honestamente, agora seu corpo estava coberto de vermes e cascas de feridas, sua pele escamosa e dura estava cheia de pus que vazava constantemente (v. 5).
Com tal quadro clínico, experimentando “meses de decepção” (7:3, BJ) com “implacável dor” (6:10), Jó declara que não se calaria ainda que os argumentos de seus amigos fossem como mordaça para lhe reprimir as palavras (vs. 6, 11). Baseando-se nessa premissa, Jó grita ao ar querendo a atenção de Deus (vs. 7-12).
Jó desprezou a vida, mas não a Deus – mesmo que se sentia desprezado por Ele (vs. 16-19). É nítida a preferência pela morte estando num estágio avançado de sofrimento (vs. 13-15). Meu destaque, porém, vai à visão de bondade e misericórdia de Deus que Jó preservava mesmo atribuindo-Lhe seu sofrimento. Ele apelou ao Senhor que perdoa ao miserável pecador (vs. 20-21).
Quando...
• ...tudo conspirar contra nós, podemos ainda contar com Deus. Quem não tem fé e confiança nEle, nestas horas, a quem recorrer?
• ...o desespero bate à porta de nossa alma, sem a compreensão da bondade e misericórdia do Salvador, como enfrentar a dor cruel?
• ...pessoas queridas nos desprezam e a ciência e a medicina nada podem fazer por nós, a quem recorrer se não for a Deus?
A fé em Deus é essencial em tudo na vida! Revigore-a agora mesmo e viva melhor!

Heber Toth Armí /     

domingo, 25 de setembro de 2016

Jó 6 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 6

Comentários do Pr. Heber Toth Armí
O sofredor ouviu com atenção as sentenças de Elifaz. Percebe-se respeito nos diálogos e maturidade nos personagens envolvidos. Argumentos são buscados para justificar ou explicar o sofrimento. Temos muito que aprender...

• Jó reconhece que suas palavras foram precipitadas ao quebrar o silêncio, após sete dias um olhando para a cara do outro, sem dizer uma palavra (vs. 1-3);
• Jó, sendo sábio, mas com visão limitada, ousou interpretar seu sofrimento como vindo de Deus. Isso porque ele não sabia o que sabemos sobre o diálogo de Deus com Satanás no Céu (v. 4);
• Jó questionou sua sorte, mas não se rendeu nem agiu conforme sugeriu Elifaz em sua fala (vs. 5-12);
• Jó revela certo grau de desespero, não viu luz no fim do túnel, nem mesmo o fim do túnel; ele se sentiu no fundo do posso e, só quem passa pela mesma situação poderá entender a dor de sua alma – isso deu-se, em parte, pela frieza de seus supostos amigos (vs. 13-14);
• Jó tencionou descrever os sentimentos que pairaram em sua alma, a solidão que sentia (vs. 15-21);
• Jó defendeu-se das acusações proferidas por Elifaz alegando serem infundadas, suas conclusões foram mal interpretadas e suas críticas foram sem provas (vs. 22-30).
Reflita:
“Se Jó pudesse tão-somente ter conhecido os planos dos céus pouco antes de lhe sobrevir a provação, como a nós é permitido vislumbrá-los no prólogo do poema, e se pudesse tão-só ter sabido previamente o resultado de seu sofrimento, como Deus o conhecia de antemão e como nós o vemos agora... teria reagido a tudo de forma diferente!” diz J. Sidlow Baxter.
E acrescenta: “Mas, por outro lado, este é justamente o traço distintivo que dá ao livro inteiro seu significado para nós: Jó não sabia; e, por mais simples que esse traço possa parecer, é por não reconhecer sua importância que a maioria dos leitores perde a mensagem do livro”.
1. Às vezes é melhor não saber o que está por trás de nossa dor e sofrimento, mas pretender crescer através dos infortúnios da existência.
2. Não haveria busca por respostas ou amadurecimento intelectual caso já soubéssemos tudo o que passa nos bastidores de nossa vida.
A falta de informação deve levar-nos à submissão total a Deus! Busquemos reavivamento!
Heber Toth Armí /    


sábado, 24 de setembro de 2016

Jó 5 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 5
Comentários do Pr. Heber Toth Armí
Sempre que Satanás ataca, seu objetivo é fazer com que suas vítimas vivam independentes de Deus; ou seja, ele provoca problemas financeiros, familiares e de saúde visando que andemos segundo nosso parecer, nossas vontades e nossos sentimentos até que, descartemos Deus, Sua vontade e planos para nossa vida.

Precisamos estudar e conhecer a própria filosofia de vida baseada na revelação clara da verdade a fim de não cair nos laços da ignorância camuflada de conhecimento. É essencial fazer um ajuste em nossa filosofia de vida, inclusive, ou especialmente, a religiosa, para que nos habilitemos a dar maiores contribuições aos pecadores que vivem por instinto, às vezes, até pior que os animais.

John E. Hartley destaca assim os pontos do primeiro discurso filosófico de Elifaz:
1. Uma palavra de consolo (4:1-6);
2. A doutrina da retribuição (4:7-11);
3. Comunicação de uma visão (4:12-21);
4. A humanidade sem um mediador (5:1-7);
5. Apelo a Jó para buscar a Deus (5:8-16)
6. Capacidade de libertação de Deus (5:17-27).

A conclusão de Elifaz era que “Jó deveria aceitar o castigo divino porque Deus cuidaria dele e endireitaria todas as coisas afinal!” (Bíblia Andrews).

Como julgar alguém quando a base de nosso julgamento é imperfeita? Realmente a humanidade não tem nenhum mediador perante Deus? Quem precisava voltar-se para Deus e buscá-lO de verdade, Jó ou Elifaz?

Vamos pensar mais: Nos dias de hoje, não têm...
• ...crentes com doutrinas adulteradas convidando gente para converter-se a Deus?
• ...instituições religiosas deturpando o sacerdócio intercessório de Jesus acrescentando pessoas mortas nessa intercessão?
• ...pregadores que passam a ideia de que quem sofre é porque está longe de Deus?
Precisamos cuidar para que nossa opinião/convicção pessoal sobre Deus não deturpe Seu caráter santo, bondoso e misericordioso. Nossas ações refletem nossas crenças, portanto, precisamos basear-nos solidamente nossos pensamentos e filosofias na Palavra de Deus. Reflita:
• Sem dependência total de Deus para pensar, refletir e elaborar conceitos, falaremos um monte de baboseiras;
• Sem exame sério e profundo das Sagradas Escrituras, faremos teologia e/ou filosofia sem base sólida que resulta em meias verdades (mentiras camufladas de verdade).
• Sem a revelação de Deus os mais exímios pensadores ficam tagarelando sem resultados positivos para os sofredores.

Dependamos de Deus como Jó, independente do que os outros falem! Reavivemo-nos! Heber Toth Armí /     


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Jó 4 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 4

Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó era sábio; seus amigos também. Além disso, todos eram religiosos, crentes em Deus, como muitos de nós também somos – crente até o diabo é! (Tiago 2:19).

Pelo teor dos diálogos dos amigos de Jó, poderíamos afirmar que eles eram filósofos experientes. Assim como eles, muitos filósofos da história mergulharam fundo no tema do sofrimento humano; alguns descobriram coisas profundas e tem até quem provou cientificamente suas teorias. Elifaz não perde dos grandes filósofos da história:

• No verso 8 Elifaz fala do que viu, experimentou, provou cientificamente, fatos.

• Elifaz fala com convicção, sua fala revela introspecção, reflexão profunda, avaliação apurada; com isso, ele confronta as palavras de Jó – no capítulo anterior –, e condena Jó (vs. 1-8).

• Elifaz apresenta sua filosofia profunda sobre sofrimento. “Os v. 7 a 11 declaram a filosofia de que o sofrimento é uma punição direta por um pecado específico” (Francis D. Nichol). Muitos são adeptos dessa teoria!

• Elifaz acrescenta aspectos religiosos a sua filosofia; parece declarar uma visão secreta para fortalecer/solidificar seus argumentos filosóficos anteriores (vs. 12-21).

Elifaz, nos primeiros versículos de sua fala “resume, com grande clareza, a atitude geral que prevalecia em seus dias acerca da relação entre sofrimento e pecado”. Na outra metade, a revelação que ele “descreve pode ser resumida como um vislumbre da grandeza e da bondade de Deus, em contraste com a pecaminosidade e fragilidade humana. No entanto, essas declarações não estão misturadas com simpatia, bondade e compreensão. O que Jó precisava ouvir é como ele pode manter sua confiança em Deus em meio ao terrível sofrimento. [Nesta parte] Elifaz meramente lhe disse o que ele já sabia – que devia confiar em Deus” (Nichol).

Platão, um grande filósofo da antiguidade declarou: “Quem pois, são os verdadeiros filósofos?” Ele mesmo responde: “Aqueles que que amam contemplar a verdade”.

• Mas, a verdade está bem acima do que pode ser captado pelos sentidos humanos. Verdadeiro filósofo, então, será aquele que aprofundar-se na revelação dada por Deus.

• Aos crentes submissos, o Senhor deu o Espírito Santo, que é o Espírito da verdade (João 14:17), e Ele nos guiará a toda a verdade (João 16:13).

O que faltou a Elifaz faltou a muitos filósofos, e ainda falta a muita gente! Portanto, vamos proclamar a verdade bíblica? Heber Toth Armí /  

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Jó 3 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 3

Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Muitos desconsideram a maior parte do livro de Jó. Ele não é literatura simples. De tão complexo, muitos conhecem apenas os relatos dos capítulos 1, 2 e 42 deste livro!

“Por lidar com o tema do sofrimento humano, o livro de Jó é um dos mais difíceis de ser interpretado. Ao mesmo tempo, este livro de sabedoria tem sido considerado uma das maiores obras-primas literárias do mundo. Usa linguagem altamente poética, com uma série de palavras que só ocorrem uma vez em toda a Bíblia. O livro de Jó tem personagens e discursos, mas não se restringe ao drama. Envolve também argumentos. Desse modo, seria mais bem definido como um tratado filosófico” (Bíblia Andrews).

Por cerca de 40 anos, Moisés recebeu a mais elevada instrução educacional no mais desenvolvido império de seu tempo. Como escritor culto e ainda inspirado por Deus, ele escreveu seu primeiro livro com maestria.

Antes de avançar, é preciso considerar que os primeiros capítulos devem ser lembrados. Ali está a base para nossa interpretação. Nos dois primeiros capítulos temos o credo de Satanás, o qual em outras palavras reza:

“Será que Jó serve a Deus em troca de nada? Auto sacrifício, sofrimento pela justiça, compromisso com a verdade até à morte... isso não passa de romantismo e sentimentalismo juvenil; ou, na melhor das hipóteses, hipocrisia. Esse negócio de entrega de vida inferior, mundana, por uma vida superior, segundo o padrão dos princípios divinos, não existe, é ilusão. A religião é uma fachada, todos os seres humanos são egoístas de coração e têm seu preço. Alguns podem resistir mais tempo do que outros, mas no fim todo ser humano preferirá suas próprias coisas em vez das coisas de Deus”.
Embora muitos cristãos sejam provas deste credo diabólico, Jó provou que Deus tem a última palavra. Do capítulo em questão, destacam-se estas lições: Aqueles que...

• ...mantiveram comunhão genuína e intensa com Deus não trocam o certo pelo duvidoso.
• ...realmente confiam em Deus podem até amaldiçoar o dia de seu nascimento diante de indescritível sofrimento, entretanto não desprezarão o dia de sua conversão a Deus.
• ...tiveram verdadeira experiência com Deus renunciam até a si mesmos/vida, mas não a fé.

Os justos e fieis ainda hoje provam que Deus está correto! Reavivemo-nos!  Heber Toth Armí / 

https://www.facebook.com/palavravivaeficaz
http://www.palavraeficaz.com/
http://moracao.blogspot.com.br/

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Jó 2 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 2
Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Tem capítulos da vida que ninguém gostaria de passar. Alguém gosta de injustiças, rejeições e solidão?
Após a primeira rodada de provas, Jó experimenta a segunda, bem mais intensa:

• No Céu, uma reunião se repete da mesma forma que antes dos primeiros ataques satânicos ao servo de Deus (v. 1);
• Deus inicia diálogo com Satanás – como no capítulo anterior (v. 2);
• Deus novamente introduz Jó na conversa, assim provoca a Satanás (v. 3);
• Satanás desafia o diagnóstico de Deus sobre Jó (vs. 4-5);
• Deus libera Satanás a fazer o que propôs para abalar a fé de Jó (v. 6);
• Satanás não perdeu a oportunidade, nem tempo: Ele foi eficiente em fazer o que se propôs, sem brincar no trabalho e sem desperdiçar nenhum dos limites dado por Deus: Jó ficou tomado de tumores malignos – da cabeça aos pés (v. 7);
• Jó, vítima dos diálogos entre Satanás e Deus, sentou-se em cinzas e começou a coçar-se com caco de cerâmica (v. 8);
• Assim como outros personagens que Satanás não eliminou propositalmente (ver 1:14-18), sua esposa foi preservada para pressioná-lo ainda mais a “amaldiçoar a Deus e morrer” (v. 9);
• A resposta de Jó à esposa revela sua firmeza diante da investida acirrada de Satanás (v. 10);
• Três amigos de Jó aproximaram-se, mas durante sete dias não ajudaram em nada, estavam pasmos diante da situação e sofrimento que viram (vs. 11-13).

Quando tudo sai de nosso controle, quando toda tranquilidade e paz tornam-se numa ebulição de problemas, em que/quem apoiaremos? Na família? Os dez filhos de Jó estavam mortos. O cônjuge? Bem... o cônjuge é muito importante nestas horas...

Contudo, “as palavras da esposa de Jó – amaldiçoa teu Deus e morre – foram provavelmente a provação mais amarga para ele. Ironicamente, a pergunta que ela faz – ainda reténs a tua sinceridade? – apresenta quase as mesmas palavras utilizadas antes pelo Senhor (Jó 2:3). A repetição dessa sentença ressalta a perseverança de Jó, que sua esposa interpretou de forma equivocada como loucura ou fanatismo religioso. Ela provavelmente pensou que o marido se recusava cegamente a encarar a realidade de sua situação desesperadora” (Earl D. Radmacher, Ronald B. Allen e H. Wayne Hause).

Apesar de tudo, é melhor nunca perder a fé? Vale a pena orar/adorar ao Senhor?  Heber Toth Armí /
https://www.facebook.com/palavravivaeficaz
http://www.palavraeficaz.com/
http://moracao.blogspot.com.br/

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Jó 1 Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Jó 1

Comentários do Pr. Heber Toth Armí

Grandes nomes de personagens intelectuais como Tomas Carlyle e Victor Hugo tem o livro de Jó em alta estima alegando que o mesmo foi considerado “a obra prima da literatura humana”.

Este foi o primeiro livro bíblico a ser escrito. Seu autor é Deus, mas o escritor é Moisés – o qual pastoreava ovelhas do sogro (Jetro), um não-israelita, quando soube da história de Jó, outro não-israelita.

Jó viveu na parte leste do rio Jordão, conhecido atualmente como Jordânia. Ele era rico e respeitado na região. Mesmo não sendo descendente de Abraão, servia o mesmo Deus e tinha a mesma atitude de adoração que o patriarca que se tornou o pai da fé. 

Enquanto que Abraão fosse oriundo de uma família pagã, politeísta e idólatra conforme revelado por Deus em Josué 24:2-3, e seus netos fossem avessos à piedade (Gênesis 34-38), os filhos de Jó tinham um pai exemplar, que, conforme revelado por Deus, era íntegro, reto, temente/fervoroso/piedoso e desviava-se do mal.

Além de estruturada espiritualmente, a família em questão era estruturada financeiramente. Entretanto, sua vida passou por uma reviravolta negativa. O capítulo foi assim sintetizado por John E. Hartley:

• Fé e prosperidade de Jó (vs. 1-5);
• Primeira cena diante de Yahweh (vs. 6-12);
• Infortúnio trágico de Jó (vs. Vs. 13-22).

As cenas alternam entre o céu e a terra. Deus provoca Satanás e Satanás provoca a Deus infernizando a vida de Seu servo Jó. Satanás tem acesso ao Céu e a Terra; contudo, não tem poder para ultrapassar os limites instituídos por Deus. 

• Deus é soberano; Satanás não pode fazer nada sem Sua permissão! 

Jó era homem de oração; todavia, tragicamente perdeu tudo o que tinha. Ele, que orava pelos filhos, os perdeu num só dia! Satanás é um ser real, mau, cruel e destruidor; sem a interferência divina sua periculosidade aumentaria descomedidamente. 

Jó, embora seja o livro bíblico mais antigo, escrito décadas antes da composição de Gênesis, contando de uma época cerca de 2000 anos antes de Cristo, não apresenta assuntos elementares e/ou desatualizado. 

Jó ficou falido num só dia, fez o funeral dos dez filhos e, depois, adorou a Deus (vs. 20-22). Portanto, pare de reclamar para que tenhas mais tempo de adorar ao Senhor. 

Observaste o servo Jó? Reaviva-te! Heber Toth Armí / 
https://www.facebook.com/palavravivaeficaz
http://www.palavraeficaz.com/
http://moracao.blogspot.com.br/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...