Receba mensagens em seu Email

sábado, 31 de outubro de 2015

Deus é o padrão de santidade

Leitura Bíblica - Levítico 22

Deus é o padrão de santidade
Comentários: Pr.  Heber Toth Armí

Quem medita na Palavra de Deus diariamente terá, certamente, atitudes diferentes daqueles que não o fazem. Tal exercício incentiva alcançar elevado padrão moral.

Deus é o padrão de santidade. Portanto, qualquer coisa fora de Sua vontade despenca para a imoralidade, promiscuidade e perversidade.

Sendo tão pecadores, com nossas forças e habilidades jamais atingiremos a santidade estipulada por Deus em Sua Palavra; em contrapartida, Ele é tão santo que pode comunicar santidade a nós sem que perca a Sua santidade.

1. A santificação não está no comportamento humano, está na absoluta dependência do sacrifício apontando para Cristo. Qualquer desvio das orientações divinas implica desviar-se da rota da salvação para o desfiladeiro da perdição. Deus preza pela reverência, pelo zelo e pela total dedicação dos que O servem, por isso insiste na santificação deles (vs. 1-16).

2. A libertação realizada por Deus exige santificação. Deus não liberta o pecador para ser livre para pecar; liberta do pecado para não mais ser escravo do diabo. O pecador reconhece que merece a morte, e a oferta significa aceitação do perdão. Contudo, oferta oferecida de qualquer jeito implica na rejeição divina do ofertante, pois profana o nome de Deus (vs. 17-33).

O teólogo Paul R. House observa: “Talvez o pior castigo possível esteja implícito em Levítico 22:17-23. Aqui Yahweh explica que trazer animais defeituosos ao altar não conduz a nada proveitoso. Tais oferendas não agradam a Deus. Elas fazem a pessoa perder o direito à comunhão com Deus”.

Reflita nestas aplicações:

• Ao ofertar, o imperfeito pecador transmitia seus defeitos ao animal perfeito, o qual morria no lugar do imperfeito. Jesus morre pelo pecador.
• Ofertar, cultuar e adorar relaxada, incorreta e displicentemente é perca de tempo.
• Adulterar o plano de salvação significa perverter o único meio de obter solução ao problema da morte.
• Oferecer ofertas defeituosas implica tornar Cristo defeituoso, imperfeito para libertar ao pecador.
• Jesus é a perfeita oferta de Deus com excelsas qualidades morais que morreu para salvar-nos. Nossas ofertas devem revelar essa verdade.

Há nítido contraste entre bem e mal: Santidade não tolera pecaminosidade, nem pecaminosidade faz parceria com santidade. Pecadores que aceitam perdão do Salvador são intolerantes ao pecado, ainda que não estejam livres de cometê-lo.

Jesus é o único caminho, ande nEle! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí




Levítico 22 Comentários: Melodious Echo Mason

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica: Levítico 22
Comentários: Melodious Echo Mason

No antigo Israel, chegar-se a Deus com as mãos puras e coração puro era tão importante, mesmo para as pessoas comuns, que se eles começassem a orar e se lembrassem que tinham um ressentimento contra alguém, deveriam primeiro perdoar essa pessoa. Caso contrário, Deus não podia lhes ouvir e perdoar (Marcos 11:25).

Contudo, parece que muitas vezes os israelitas colocavam a “forma” antes da “reforma do coração.” (Quantas vezes temos feito o mesmo?) Eles pensavam que se dessem a oferta, isto era suficiente. Mas Deus disse: “A obediência é mais importante do que o seu sacrifício. “(I Sam 15:22 NVI).

O pecado não pode existir na presença de Deus! Ele nos separa de Deus. Ele afasta o Espírito Santo. Ele corrompe o serviço que prestamos. Encontramos em Isaías 59:2 que o pecado faz com que Deus não nos ouça. Mas o pior de tudo, é que se nos agarrarmos ao pecado, Ele não pode nos salvar!

Não profanemos a adoração devida a Deus, com uma mera “forma de piedade”. Coloquemos de lado todo e qualquer fingimento e tudo o que é profano, e peçamos ao Senhor que reforme hoje os nossos corações, de forma que a bênção do Espírito Santo possa verdadeiramente cair sobre nós!

Melodious Echo Mason
Ministério A.R.M.E. de Acampamentos Bíblicos
EUA


sexta-feira, 30 de outubro de 2015

É Deus Quem santifica

Leitura Bíblica - Levítico 21

É Deus Quem santifica.
Comentários: Pr.  Heber Toth Armí

Quem não lê e medita nas Sagradas Escrituras todos os dias nunca saiu da superficialidade/mediocridade da fé. Quem nunca saiu da superficialidade/mediocridade da fé apenas raspa na periferia da santidade; todavia, vive no subúrbio da perversidade, imoralidade e promiscuidade.

Santidade não brota do coração corrompido pelo pecado. Nosso coração é corrupto demais para produzir qualquer santidade. Santificação é impossível por mais que apliquemos inúmeras práticas religiosas. Santidade é um atributo que Deus nos outorga.

Torna-se santo somente quem permite que Deus santifique.

Os sacerdotes deveriam ser santos antes de servir no Santuário. Hoje, os cristãos deveriam ser santos para servir a Deus na comunidade. Este capítulo apresenta-nos os seguintes pontos revelados pelo Deus santo:

1. A santidade restringe questões em relação a defuntos: Com exceção de alguns parentes bem próximos, os sacerdotes não deveriam tocar cadáveres humanos para não contaminar-se (vs. 1-4);

2. A santidade restringe questões relacionadas à aparência: Nenhuma atitude deveria dar margens a que pessoas pensem sacerdotes praticam algo pagão (vs. 5-6);

3. A santidade restringe questões relacionadas a matrimônio: O casamento é santo, mas práticas pecaminosas podem pervertê-lo. Casar com prostitutas, ainda que cultuais, é afrontar ao Autor do matrimônio. Se a filha de um sacerdote prostituísse deveria ser queimada (vs. 7-9).

Nestes versículos o autor inspirado tratou das restrições dos sacerdotes. A partir do versículo 10 o texto será específico ao Sumo Sacerdote:

4. O Sumo Sacerdote não deveria ter cabelos despenteados, mostrando-se descuidado; nem usar roupas rasgadas, revelando desprezo às coisas sagradas; e, nem entrar onde houvesse cadáveres. Ele deveria consagrar-se sem nunca contaminar-se (vs. 10-12);

5. O Sumo Sacerdote poderia casar-se, mas nunca com viúva, divorciada, prostituta, jugo desigual... para não contaminar-se (vs. 13-15);

6. O Sumo Sacerdote não deveria ter nenhum defeito físico, deveria ser perfeito para oferecer ofertas perfeitas a Deus (vs. 16-24).

Tudo que Deus pedia visava santificação. Ele abomina determinantemente a corrupção. Com toda eloquência, Deus almejava bloquear a cultura pagã no território de Seu povo... O texto revela Deus exigindo mais dos líderes pela influência que estes exercem sobre outros.

Imundícia é natural; pureza, é sobrenatural! Santidade não se conquista, se aceita. É Deus Quem santifica. Por outro lado, a santidade se perde com práticas imorais.

“Santíssimo Deus, santifica-nos... Amém!” – Heber Toth Armí


Levítico 21 Comentários: Melodious Echo Mason

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica: Levítico 21
Comentários: Melodious Echo Mason

Quando alguém morria, era costume entre os judeus rasgar suas vestes pelo sofrimento. No entanto, esta prática não era permitida para o sumo sacerdote. Ele representava Jesus Cristo, e deveria vestir roupas inteiras, limpas, sem mancha e sem defeito, assim como Cristo não tem defeito. O sumo sacerdote que se atrevesse a comparecer diante de Deus com vestes rasgadas indicava, por este ato, que ele tinha se separado do próprio Deus.

Este capítulo nos apresenta um quadro solene da responsabilidade sagrada dos “líderes na casa de Deus” (Ez 9:6). Como pastores do rebanho e exemplos para as pessoas, é ainda mais vital que eles busquem pureza de Coração, porque eles tocam as coisas sagradas de Deus!

No fim dos tempos, aqueles que não ensinaram a verdade às suas congregações assumirão a responsabilidade por isso.

Oremos para que Deus nos mostre como sustentar os braços daqueles que estão na liderança espiritual, através da oração e da nossa própria transformação do coração.

Melodious Echo Mason
Ministério A.R.M.E. de Acampamentos Bíblicos
EUA

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

Advertências divinas

Leitura Bíblica - Levítico 20

Advertências divinas
Comentários: Pr.  Heber Toth Armí

Práticas religiosas pagãs, por mais comoventes que sejam a ponto de entregar um filho para ser queimado em sacrifício, não gera um mínimo de santidade.

Moloque era um deus pagão representando qualquer idolatria – fazia parte da cultura religiosa que causava repulsa em Deus (vs. 1-5).

Nem todo caminho leva a Deus, nem toda forma de religião é aprovada por Ele. Pelo contrário, por mais sincero que alguém seja no erro, o erro nunca deixará de ser opção errada. Deus não apenas condena o espiritualismo/ espiritismo/ ocultismo, mas Ele abomina quem envereda-se para estas práticas. Tudo isso não passa de corrupção da verdadeira religião (v. 6).

Deus tem um alvo muito elevado, pois nos quer distantes do pecado! O pecado mata. Quem peca assina sua sentença de morte!

1. Pecar contra os primeiros mandamentos resulta em pena de morte (vs. 1-6);
2. Deus apela ao Seu povo a viver em santidade: Não amaldiçoar pais, não adulterar nem perverter/deturpar/corromper o sexo para não assinar a sentença de morte (vs. 7-21);
3. Deus quer pureza de Seu povo liberto por Ele, Sua graça opera para transformar o que o pecado deformou. Deus relembra que quem é santificado não come porcarias (vs. 22-26);
4. Deus condena o espiritismo novamente ao concluir o capítulo (v. 27).

Parece que este capítulo reitera assuntos do capítulo 18, mas não. Este enfatiza a pena de morte para pecados daquele.

Refletindo sobre pena capital, José Flores Junior diz que o mandamento “Não matarás” proíbe o assassinato, que difere da pena de morte, a qual resulta de crimes hediondos. “Desde o princípio, Deus permitiu que o povo de Israel” diz ele, “aplicasse a pena capital para tipos específicos de transgressão. [ver Gênesis 9:6]. Aqui se encontra a primeira referência bíblica acerca da pena de morte como sentença judicial aplicada pelo ser humano”.

O método para aplicar a pena de morte era o apedrejamento e a fogueira (vs. 2, 14, 27). Deus é radical porque prefere eliminar o pecado antes que o pecado nos elimine radicalmente.

As advertências divinas aqui são preventivas. Deus quer frear a maré da corrupção, barrar a perversão. Deus nos quer distantes do pecado e uma sociedade menos corrompida.

ATENÇÃO! A ênfase divina não é matar, é santificar (vs. 7-8). Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí


Levítico 20 Comentários: Melodious Echo Mason

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica: Levítico 20
Comentários: Melodious Echo Mason

Obviamente, nós como cristãos não somos diretamente culpados de sacrificar os nossos filhos a Moloque hoje. Mas somos culpados de sacrificá-los no fogo de outros deuses modernos, como ceticismo, materialismo, racismo, sensacionalismo, emocionalismo?

Tudo o que Deus ordenou no deserto estava baseado em princípios que afetam nossas vidas hoje. Se a santidade das relações familiares ou as relações no casamento são contaminadas, a santidade da igreja também será afetada e em breve a sociedade como um todo começa a desmoronar. Então, para evitar isso, Deus começa a trabalhar no verdadeiro fundamento: nossos filhos, nossos pais, e nós! “Cuidado para não desprezarem um só destes pequeninos! Pois eu lhes digo que os anjos deles nos céus estão sempre vendo a face de meu Pai celeste.“(Mt 18:10, NVI).

Deus nos alerta que se amaldiçoarmos os nossos pais (a linhagem da qual Ele nos formou), Seu sangue já não pode cobrir-nos. E se profanarmos a sagrada instituição do casamento ou tivermos um caso com outras amantes (profanando, assim, o santuário do nosso coração), nosso coração e corpo não podem mais ser a Sua casa.

Portanto, examinemos nossos corações e peçamos o perdão do Senhor e Sua misericórdia (I João 1:8,9)!

Melodious Echo Mason
Ministério A.R.M.E. de Acampamentos Bíblicos
EUA


quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Santidade

Leitura Bíblica  - Levítico 19

Santidade
Comentários  Heber Toth Armí

Para pecadores, santidade não depende de comportamento. Santidade depende do sacrifício de Cristo e Seu sangue derramado por, e, em nós, para remissão/eliminação dos nossos pecados. Aceitando de fato tal sacrifício, a vida será pautada pela santidade (vs. 1-2).

Salvação sempre foi, e continua sendo, unicamente pela graça divina; o livro de Levítico deixa tal verdade absolutamente clara aos que estão atentos às sequencias da Palavra de Deus nele.

Após apresentar pedagógica, simbólica e didaticamente o plano de purificação que resulta em libertação do pecado e em salvação (Levítico 16), Deus apresentou-nos (nos capítulos seguintes) a forma de vida daqueles que, sinceramente, entregam-se completamente ao Seu serviço.

Síntese do capítulo 19:

1. A santidade requer respeito aos pais e idosos, guarda do sábado, rejeição total à idolatria, mas dependência radical no sacrifício de Cristo apontado pela morte de inocentes animais (vs. 3-8, 30, 32).

2. A santidade requer preocupação com pessoas desprovidas de recursos para viver: pobres, mendigos, órfãos, etc. (vs. 9-10).

3. A santidade requer conduta correta: Não roubar, mentir, enganar, jurar em vão, explorar, extorquir, amaldiçoar, trapacear, zombar, perverter, fofocar, injuriar, negligenciar socorro, guardar rancor ou vingar-se, prostituir-se (vs. 11-18, 29, 33-37). O amor será a regra áurea de todo relacionamento!

4. A santidade requer respeito aos imperativos divinos: Não cruzar espécies diferentes de gado, não plantar espécies diferentes na lavoura, nem vestir roupas com dois tipos de materiais (v. 19).

5. A santidade requer reparo quando se pratica imoralidade. Deus promete perdão a quem O buscar (vs. 20-22).

6. A santidade requer respeito à flora. Nos três primeiros anos, árvores frutíferas não seriam comestíveis; frutos do quarto ano seriam ofertadas a Deus; e, do quinto ano resultariam grandes bênçãos, somente neste ano seus frutos seriam comestíveis na terra prometida (vs. 23-25).

7. A santidade preza por vida descente em cada aspecto: Não comer carne com sangue; nem praticar mágicas/adivinhações/horóscopo, ocultismo/espiritismo/necromancia/médiuns; não cortar o cabelo dos lados da cabeça nem as pontas da barba, nem fazer corte no corpo pelos mortos, nem tatuagem – estes são costumes pagãos/idólatras (vs. 26-28, 31).

Conversão a Cristo que não resulta em santidade não passa de mera fantasia; esta religiosidade pauta-se pela falsidade, clara hipocrisia!

Precisamos desprezar pecados para prezar pela pureza! Deus quer transformar-nos! – Heber Toth Armí



Levítico 19 Comentários: Melodious Echo Mason

Reavivados por Sua Palavra
Leitura Bíblica: Levítico 19

Comentários: Melodious Echo Mason

Ao longo deste capítulo, a frase “Eu sou o Senhor” é repetida 15 vezes, no final de cada ordem. Vamos olhar mais atentamente:

– Eu sou o Senhor de suas origens, não se esqueçam disto (v. 3).
– Eu não sou um Deus feito de pedra. Eu sou o Senhor que vive (v. 4).
– Ofereçam seus sacrifícios do modo certo (v. 5).
– Eu sou o Deus que lhes dá todas as coisas que dizem respeito à vida e piedade (v. 9).
– Meu reino é baseado na verdade, não em mentiras (vs. 11).
– Meu nome é santo, e não pode ser usado para encobrir uma vida de pecado (vs. 12).
– Eu sou o Deus que perdoa, portanto não retenham o perdão aos outros (vs. 18).
– Não façam cortes em sua carne. Os corpos de vocês são meus (vs. 28).
– Cuidem dos pobres, dos fracos e marginalizados (vs. 32, 34).
– Eu sou o Deus de juízo e misericórdia. . . Eu libertei vocês da escravidão (vs. 36).
– Dei-vos estes estatutos, por isso não se esqueçam deles, mas guardem-nos (vs. 37).
– Acima de tudo, lembrem-se: eu sou o Senhor vosso Deus, e não há outro! Eu sou o único digno de adoração!

Vamos adorá-Lo com um coração agradecido hoje!

Melodious Echo Mason

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Combata a pecaminosidade!

Leitura Bíblica Levítico 18
Combata a pecaminosidade
Comentários  Heber Toth Armí

Cuidados com corpo não se relacionam apenas com o que ingerimos (gordura de animais, sangue ou carnes imundas); envolver-se com certas práticas sexuais contamina a alma, tornando-a imprópria para morada de um Deus santo; própria, porém, para esconderijo de demônios.

A imoralidade proibida no sétimo mandamento (Não adulterarás) é especificada neste capítulo. Deus fez órgãos sexuais para eliminação daquilo que o corpo não necessita (xixi) e também para satisfação/prazer e procriação.

Contudo, Satanás almeja tornar maldição o que Deus fez para ser benção. Por isso, rigorosamente...

1. Deus proíbe relações sexuais com parentes próximos: Mãe, avó, irmãos, netos, enteados, madrasta/padrasto, sobrinhos, tios, nora, cunhado (vs. 6-16). Tais práticas desonram a Deus, a si mesmo, e aos familiares.

2. Deus proíbe relações sexuais com mulher e filha desta mulher (relacionar-se com ambas), nem neta (pedofilia). Proíbe casar-se com a cunhada, sem ser viúvo. Proíbe relações com a esposa na menstruação e com a esposa do vizinho (vs. 17-20). Tais práticas são perversão de caráter.

3. Deus proíbe relações sexuais do mesmo gênero sexual tanto quanto proíbe queimar filhos em sacrifícios a deuses falsos (vs. 21-22).

4. Deus proíbe relações sexuais com animais como gorila, jegue, tatú, vaca, cavalo, etc. (v. 23). Tal bestialidade é repugnante e contaminante.

Para resolver tais perversões Deus prepara juízo que condena os nefários à destruição. Tal castigo faz a terra vomitar àqueles que contaminam o mundo com sua conduta depravada.

Os verdadeiro servos de Deus não se conformam com tais coisas abomináveis. O capítulo não descreve ordens de Moisés. Deus dá ênfases para demonstrar que tais imperativos são divinos, não humanos (vs. 1-5). Estas práticas provocam ira no Deus que é santo.

Ame a Deus, afaste-se delas! Combata a pecaminosidade! Promova a santidade!

A fúria visível de Deus contra os canaanitas perversos é evidência clara aos israelitas e a nós o quanto Ele é intolerante a tais práticas detestáveis. Deus usa a destruição dos povos antigos como advertência para Seu amado povo, o qual deve ser santo (vs. 24-30).

Deus não fez ninguém para viver atolado no chiqueiro do diabo chafurdando na lama do pecado; Deus nos criou para a pureza e a beleza da santidade. Anuncie isso aos teus amigos!

Deus quer nossa companhia. Santifiquemo-nos! "Senhor, reaviva-nos" – Heber Toth Armí


Levítico 17 Comentários: Melodious Echo Mason

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica: Levítico 17
Comentários: Melodious Echo Mason

Deus chamou Seu povo para que fosse separado para Ele. Eles não deviam praticar as abominações do Egito, nem adotar as práticas sensuais de Canaã. Neste capítulo, vemos como Deus começa a implantar um sistema de ordenanças com objetivo de salvaguardar a santidade da família e do casamento e, o mais importante, a santidade do coração.

Como diz Paulo em 1Ts 4:3-4 e 7: “A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se da imoralidade sexual. Cada um saiba controlar o seu próprio corpo de maneira santa e honrosa … Porque Deus não nos chamou para a impureza, mas para a santidade” (NVI). Acredito que este é o pensamento chave por trás deste capítulo inteiro de Levítico.

O diabo procurava expor a nudez espiritual do povo de Deus, e ainda procura. Porém, Deus trabalha ajudando o seu povo a cobrir a nudez espiritual de seus corações e corpos. Nossos revestimentos humanos são apenas trapos imundos e são quase tão bons em cobrir nossa nudez, como eram os aventais de folha de figueira de Adão e Eva.

A nudez não nos separa de Deus – ela nos mostra a necessidade de sermos cobertos, e Deus está pronto e disposto a fazer isto. “Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores (ou: “quando ainda éramos nus”)” (Rm 5:8).

Aceitemos a Sua cobertura de perfeita justiça hoje!

Melodious Echo Mason
Também disponível em: http://www.revivalandreformation.org/bhp/pt/biblia/lev/18

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

O Sangue é vida

Leitura Bíblica  - Levítico 17
O Sangue é vida
Comentários  Heber Toth Armí

Você come morcilha ou alguma receita preparada com sangue? Sabia que o sangue é o filtro do corpo, o qual absorve todas as impurezas, por isso frente a doenças pede-se exames de sangue? Além disso, você sabia que Deus proíbe comer sangue?

O servo de Deus fiel às Suas orientações não come aquele churrasco que vem pingando sangue. Ele cuida para não contaminar seu corpo que é o templo do Espírito Santo. Cuidar da saúde implica deixar o corpo limpo e apropriado para a santa presença do Espírito Santo.

Este capítulo apresenta os seguintes pontos que merecem nossa atenção porque não é invenção de Moisés, mas Deus Lhe falou e ele escreveu (vs. 1-2).

1. Deus pede que os sacrifícios não sejam fora do Santuário, caso acontecesse, a pessoa seria culpada de derramar sangue de forma imprópria; portanto, pagaria com sua vida por esse ato (vs. 3-4). O ritual de sacrifício só teria sentido se as orientações de Deus fossem seguidas. No processo da salvação não é como a pessoa quer, mas como o Salvador orienta.

2. O animal deveria ser morto como oferta de paz perante Deus e, o sacerdote deveria aspergir/borrifar sangue no altar de Deus (vs. 5-6). O sangue é sujo e vida, representa nosso pecado e nossa vida. Nossa contribuição para a salvação é a entrega de nossa vida pecaminosa a Deus.

3. Satanás desvirtua o propósito de Deus; ele adultera o culto e a adoração além de manipular o sistema divino de salvação. Quem não segue toda a Palavra que sai da boca de Deus torna-se presa fácil dele e desvia-se da salvação disponível a todo pecador (vs. 7-9).

4. A razão de Deus proibir comer sangue é pelo fato de sangue ser vida. Deve-se respeitar a vida. Sangue representa a morte. Ao comer carne que não seja imunda (Levítico 11), deve-se antes retirar todo o sangue e enterrá-lo (vs. 10-14). Isso vale para judeu e estrangeiro – nós!

5. Deus não é a favor de comer carne de animal encontrado morto ou despedaçado (vs. 15-16), nosso corpo é Sua morada.

Que tipo de carne se come hoje? Quem está mantendo limpo o lugar de habitação de Deus?

Jesus deu Seu sangue por nós para que vivamos. Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí


Levítico 17 Comentários: Melodious Echo Mason

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica: Levítico 17
Comentários: Melodious Echo Mason

Embora os filhos de Israel houvessem deixado o Egito, não haviam deixado todos os rituais pagãos para trás. Certas formas de idolatria obscena ainda estavam sendo praticados pelos israelitas nos campos, dando significado à expressão: “Eles se prostituem!” (cf. v.7). Assim, a restrição para trazer os sacrifícios ao tabernáculo era uma salvaguarda necessária contra estas práticas idólatras.

O sistema sacrificial foi abolido quando Cristo morreu na cruz, como o Cordeiro universal. Agora o nosso sacrifício é um coração quebrantado e contrito. E não temos que ir a nenhuma localização física específica, para buscar a reparação pelos nossos pecados. No entanto, há um local que não mudou. Devemos nos achegar ao pé da cruz para a expiação, como simbolizado pelo altar de sacrifício no pátio do santuário. Se tentarmos fazer o nosso sacrifício em outros lugares que não a cruz, não teremos parte no reino. Como Jesus diz em João 14:6, “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por Mim“ (ARA).

Melodious Echo Mason

domingo, 25 de outubro de 2015

O dia da Expiação

Leitura Bíblica Levítico 16

O dia da Expiação
Comentários  Heber Toth Armí

Feriados em Israel foram determinados por Deus. O calendário judeu era regido por Deus. Do início ao fim do ano, este calendário tem maravilhosas revelações instrutivas de Deus para Seu povo. Vale à pena prestar atenção.

O dia da expiação era a cereja do bolo da revelação do calendário instituído por Deus. Portanto, desde o início, a mensagem deste capítulo implica em solenidade, santidade e religiosidade.

• Deus fala, a ordem é dEle; O qual inicia Seu discurso relembrando a morte instantânea de Nadabe e Abiú (v. 1);

• Deus adverte Moisés que oriente Arão a não entrar em qualquer momento dentro do véu, diante do propiciatório, para que não morresse; a entrada deveria ser mediante uma oferta pelo pecado e um holocausto no dia da expiação (vs. 2-3);

• A indumentária para adentrar o lugar santíssimo deveria ser túnica, calças, cinto e mitra de linho (v. 4);

• Nesse dia se ofereciam ofertas pela congregação: Dois bodes para a expiação e um carneiro para holocausto (v. 5);

• Em seguida a estas orientações, Deus pede a expiação de Arão e sua casa (v. 6);

• Na sequência os bodes seriam apresentados perante o Senhor: Um morria como símbolo de Cristo, outro era levado ao deserto como símbolo do autor do pecado, Azazel (vs. 7-10); vislumbres do milênio (Apocalipse 20);

• Apenas neste dia Arão ministrava no Lugar Santíssimo do Santuário: O perfume cobria o propiciatório, sozinho o Sumo sacerdote fazia a expiação do altar. Com sangue do bezerro e do bode mortos faria expiação/purificação das impurezas/transgressões do santuário e da congregação (vs. 12-19);

• Após essa purificação geral, o bode Azazel/emissário era apresentado vivo perante Deus e, então, levado vivo para morrer sozinho no deserto após colocar-se as mãos sobre sua cabeça para levar a culpa por todos os pecados (vs. 20-22);

• Depois disso, Arão trocaria de roupa e lavaria seu corpo (o mesmo faria quem levasse o bode ao deserto). Em seguida, Arão ofereceria holocausto por si e pelo povo e limparia o santuário queimando fora tudo o que sobrou dos sacrifícios (vs. 23-28);

• A data estipulada por Deus para tudo isso era o décimo dia do sétimo mês para judeus e estrangeiros (22 de outubro) (vs. 22-34).

Aqui está esboçado o plano da salvação do mundo! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí


Levítico 16 Comentários: Roy Gane

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica: Levítico 16
Comentários: Roy Gane

A casa de Deus também precisava de expiação para ser purificada (Lv 14:53) dos pecados e impurezas uma vez por ano, o que era para ser feito no Dia da Expiação (Lv 16). Quando os israelitas ofereciam seus sacrifícios expiatórios, sua maldade era removida deles (Lev. 4) e deixada no santuário. Ofertas pelo pecado também levavam consigo impureza para o santuário e seus sacerdotes (ver Lev 6, 10). Esta “contaminação” representava o peso da responsabilidade que Deus carrega quando Ele perdoa as pessoas de sofrer as consequências, que por direito lhes pertence (comparar com 2 Sam 14:9).

Através do sacrifício, que afirmava que a expiação já havia sido concedida, esta fase expurgava a “contaminação” da casa de Deus, a qual representava Sua santa administração. Para receber o benefício, o Seu povo mostrava contínua lealdade a Deus, humilhando-se e se abstendo de trabalho nesse dia (compare 23:26-32).

Agora entendemos Daniel 8:14, onde o Senhor revela que o santuário celestial de Deus deve ser “justificado”. O julgamento do final dos tempos (comparar com Dan 7) defende a reputação de Deus, ao afirmar que o sangue de Cristo salvou as pessoas justas, isto é, aqueles que mostram lealdade a Ele (Ap 14:12). O julgamento não tem como objetivo determinar quem pecou (porque todos pecaram, Rm. 3:23), mas, sim, aqueles que aceitaram até o fim a graça de Deus. Assim, Deus mantém misericórdia e justiça plenas, os dois lados do amor (Sl 85:10).

Roy Gane

sábado, 24 de outubro de 2015

Purificação do pecado

Leitura Bíblica  - Levítico 15

Purificação do pecado
Comentários  Heber Toth Armí

O que precisamos para viver mais e melhor? Quando Deus nos diz não, deveríamos agradecê-Lo. Um “não” de Deus é muito melhor que muito “sim” nosso. Nosso melhor pode não ser bom, mas o melhor de Deus é melhor que o nosso mais nobre melhor.

Este capítulo inspirado revela o quanto Deus está preocupado com a felicidade, bem-estar e saúde de Seu povo. Deus pensa em tudo, até em coisas que jamais pensamos que Ele pensa: Isso sim que é cuidado não exagerado, mas sob medida.

Deus se preocupa com aquilo que contamina o homem e a mulher. São procedimentos higiênicos que lá no deserto, o povo de Israel sob a liderança de Moisés, evitaria doenças e epidemias.

O corpo do filho de Deus é o templo do Espírito Santo, portanto, ele deve ser mantido puro e santo. Portanto,
1. Cuidado com as impurezas masculinas (vs. 1-18)
2. Cuidado com as impurezas femininas (vs. 19-33).

“A natureza humana é desesperadoramente contaminada e contaminadora. Este livro sustenta um espelho fiel contra a humanidade orgulhosa e não deixa à ‘carne’ nada de que se gloriar diante de um Deus santo”, declara Merril F. Unger.

Após dizer isso, Unger comenta: “As secreções corporais mencionadas, tanto voluntárias como involuntárias, tanto normais quanto patológicas, evidenciam o pecado profundamente arraigado na natureza humana e a maldição sobre ele, revelando a necessidade de uma purificação contínua com água (a Palavra) tendo por base o sangue derramado”.

Além da Palavra, a água purificadora pode ser o Cristo (Messias) apontado pelas profecias que veio a este mundo imundo para purificar quem O aceitar. Note o caso da mulher hemorrágica e a mulher samaritana (Marcos 5:24-34; João 4:1-26).

Estamos contaminados pelo pecado, tudo o que fazemos está maculado. Contudo, qualquer pessoa que Deus identifica como imundo neste mundo deve tratar-se da forma em que foi revelada neste capítulo. Seguir as regulamentações divinas evita ou limpa aqueles que vivem neste planeta.

O sangue aponta para o sacrifício de Cristo. Sem ele não haveria meio de purificar-se. Nossa vida para ser santa precisa estar ligada a Cristo até que nossos atos reflitam o Seu caráter. Ele tomou o nosso lugar na cruz para nos purificar, pois até as coisas naturais podem nos contaminar.
Reflita! – Heber Toth Armí



Levítico 14 Comentários: Roy Gane

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica: Levítico 14
Comentários: Roy Gane

Levítico 15 fornece instruções sobre impurezas causadas por secreções genitais:

secreções masculinas anormais (versículos 2-15)
….secreções masculinas normais (versos 16-17)
……..secreções normais femininas com masculinas (versículo 18)
….secreções femininas normais (versos 19-24)
secreções femininas anormais (versos 25-30, compare Lc 8:43-48)

[Note a estrutura simétrica, ou “quiástica”, onde os extremos se relacionam]

Em Levítico 18:19 e 20:18, a proibição de relações sexuais com uma mulher menstruada está incluída entre as leis morais permanentes (Ez 18:6). O pecado deliberado de incorrer nesta proibição resultava na pena divina de “ser cortado” [excluído] (Lv 20:18), sem remédio ritual disponível. A impureza temporária mencionada em Levítico 15:24 era a resultante de um eventualidade quando o período de menstruação de uma mulher começava sem ela o saber.

Algumas impurezas do sexo masculino e feminino aconteciam de forma não intencional e algumas impurezas graves requeriam sacrifícios expiatórios para purificação.

Estes fatos foram mal interpretados por muitos cristãos, ao considerarem que os seres humanos pecam também automaticamente [de forma não intencional]. Mas eles não entenderam a diferença entre pecados e impurezas físicas. Atos de pecado são atos [conscientes], e, portanto, não são automáticos. Eles envolvem escolha (Tg 4:17), mesmo que a pessoa não perceba no momento que sua escolha é a errada (Lv 4). Permaneceremos em nosso estado de pecado até que nossos corpos sejam transformados pela Segunda Vinda de Cristo (1 Co 15:51-54), mas Deus é poderoso para guardar-nos de atos de pecado (Judas 24).
Roy Gane

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

As leis levíticas

Leitura Bíblica  - Levítico 14

As leis levíticas 
Comentários  Heber Toth Armí

A sensação de limpeza é agradável seja após um banho ou uma casa após ser lavada. Lembro-me de quando era criança, ajudando na limpeza da casa para o final de semana, quando no pôr-do-sol de sexta-feira já estava tudo limpinho, cheiroso, tomado banho... que satisfação!

A sensação de estar purificado da lepra devia ser bem mais prazerosa que a de uma casa limpa ou a leveza após um banho tomado. Mas, muito além destas sensações é a alegria e paz que inundam o coração de quem foi perdoado e purificado do pecado e restaurado/transformado por Deus.

Este capítulo trata da purificação da lepra, um símbolo do pecado. Nele encontramos os seguintes pontos:

1. O ritual para a limpeza da lepra era complexo. Requeria duas aves: Uma para ser sacrificada como símbolo da purificação e, outra era solta como símbolo da libertação (vs. 1-7);

2. O indivíduo que, ora isolado, vivendo relaxadamente, agora se barbeia e se lava para, então, apresentar uma oferta de expiação e outra pelo pecado (vs. 8-32);

3. Até uma casa poderia ser contaminada e poluída por algum tipo de fungo; objetivando purificá-la, a cerimônia seguia o mesmo padrão exigido para uma pessoa infectada (vs. 33-57).

4. O ritual pela purificação dependia de um sacerdote, estava vinculado a sangue, representava uma forma de transferência, substituição e intercessão. Após todo o procedimento pelo ex-leproso, “o sacerdote fará expiação pela pessoa que está sendo purificada diante do Eterno” (v. 31, AM).

Deus quer pessoas purificadas, não contaminadas pelo pecado. “As leis levíticas tinham o claro objetivo de ensinar aos israelitas como e onde encontrar purificação e como podiam manter-se puros perante o Senhor” diz Leslie Hardinge e Frank Holbrook. Com um olhar neotestamentário, eles ainda afirmaram:

“O caso de todo ser humano será analisado no santuário celestial. O Sumo Sacerdote examinará nossa vida e declarará que somos puros ou impuros [...]. Enquanto nossa fé estiver, porém, no poder de Cristo para purificar e preservar, poderemos estar certos de que o nosso Sumo Sacerdote nos declarará limpos”.

• Todo pecador carece de um poder restaurador;
• Todo pecador tem acesso a Cristo, o único Salvador;
• Todo pecador pode ser purificado da lepra do pecado.
• Todo pecador tem possibilidade de experimentar purificação/restauração.

Busque-O imediatamente! Reavivemo-nos! – Heber Toth Armí


Levítico 14 Comentários: Roy Gane

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica: Levítico 14
Comentários: Roy Gane

Uma pessoa somente poderia receber purificação ritual depois que a origem de sua impureza física tivesse cessado. A purificação ritual não curava (exceto no caso milagroso de Naamã (2Rs 5), mas apontava para a maior cura – a vida imortal, quando os seres humanos novamente desfrutarão de pleno acesso à santa presença de Deus. A purificação que se seguia à doença de pele enfatizava a gravidade da condição, envolvendo um processo demorado, com várias etapas, para restaurar o acesso à vida normal em casa e dentro da comunidade. Após cada etapa, a pessoa era declarada “pura”, ou seja, pura o suficiente para aquele momento do processo.

Nossa restauração à pureza de coração que nos permite ver a Deus (Mt 5:8) é também um processo, e exige a “oferta pela culpa” (Is 53:10 apresenta a mesma palavra em hebraico) de Cristo. O Senhor nos permite vivenciar vários estágios no processo (Mc 8:23-25), para que possamos compreender a grandeza de Sua obra, através da qual Ele nos limpa com Seu sangue e água (Jo 19:34; 1Jo 5:8; e “com hissopo”, Sl 51:7; Lv 14:4-7) da “lepra” mortal do pecado.

Roy Gane

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

O pecado é como a lepra

Leitura Bíblica  - Levítico 13

O pecado é como a lepra 
Comentários  Heber Toth Armí

Deus é poderoso para curar qualquer doença; porém, Ele também é totalmente sábio para orientar-nos como e quando lidar com certas doenças. “Lepra” é a palavra mais próxima para traduzir ao português o que poderia ser hanseníase, morfeia e/ou qualquer outra infecção da pele.

Essas doenças revelam a deterioração que o pecado faz na raça humana. Elas apresentam efeitos terribilíssimos que o mal tem causado no mundo. O pecado está em intensas atividades em todas as áreas, corroendo física, mental e espiritualmente ao ser humano.

Em síntese, o capítulo apresenta os seguintes pontos:

1. Diagnóstico de um caso de “lepra” (vs. 1-8);
2. Diagnóstico de um caso antigo de “lepra” (vs. 9-17);
3. Diagnóstico de “lepra” por úlcera/tumor ou queimadura (vs. 18-28);
4. Diagnóstico da “lepra” situada na cabeça ou na barba (vs. 29-44);
5. As vestes dos leprosos (vs. 45-59).

A lepra tornava imunda a uma pessoa descente; portanto, deveria isolar-se, afastada de sua casa e familiares. “As leis relativas à lepra nos ensinam que o pecador está enfermo e condenado a morte solitária” (Lislie Hardinge e Frank Holbrook).

O pecado é uma praga, e a lepra apenas ilustra essa desgraçada doença.

• Assim como a “lepra” manchava o corpo, o pecado mancha a alma.
• Assim como a “lepra” contaminava a pele, o pecado contamina o coração.
• Assim como a “lepra” consumia as extremidades, o pecado consome nossa consciência.
• Assim como a “lepra” apodrecia membros do corpo, o pecado apodrece a moral humana.
• Assim como a “lepra” levava suas vítimas à morte, o pecado também mata suas vítimas.

O capítulo apresenta rituais de purificação da contaminação da lepra. Os sacerdotes tinham papel fundamental nisso. Tal purificação resultava em restauração.

O princípio é válido para nós: Ao estarmos contaminados com a praga do pecado, carcomidos pela intensa capacidade de depravação moral, carecemos de um sacerdote que nos atenda, purifique e restaure. Somente em Cristo encontramos tal Sacerdote.

Cristo cura qualquer doença!

A purificação da contaminação da lepra do pecado, oriunda do plano de salvação concretizado em Cristo, promove nossa santificação. Por conseguinte, “a busca da santidade sob a orientação do Espírito Santo de Deus é obrigatória para o cristão crescer verdadeiramente na plenitude de Cristo”, afirma Roland K. Harrison.

“Senhor... purifica-nos... santifica-nos. Amém!” – Heber Toth Armí



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...