Receba mensagens em seu Email

domingo, 31 de maio de 2015

Hebreus 7 Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Lições de Vida  
Leitura Bíblica- Hebreus 7

Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Melquisedeque é uma figura enigmática na Bíblia. Sendo que aqui Paulo está argumentando em relação à pessoa de Cristo, quais as razões dele mencionar Melquisedeque? Quem é este personagem?

Os três primeiros versículos lembram-nos de que Melquisedeque:
• Reunia em si os ofícios de rei e sacerdote;
• Era rei de Salém, cidade que se tornou Jerusalém;
• Era o sacerdote do Deus Altíssimo.

Warren Wiersbe diz que neste capítulo, “a principal figura é o misterioso rei sacerdote Melquisedeque, que aparece apenas duas vezes em todo o Antigo Testamento (Gn 14:17-20 e Sl 110:4)”. E então observa: “O autor apresenta três argumentos impressionantes para provar a superioridade de Melquisedeque em relação a Arão”, objetivando elucidar que Jesus é sacerdote da ordem de Melquisedeque, não de Arão:

1. O argumento histórico: Melquisedeque e Arão (vs. 1-10): Melquisedeque nasceu rei e sacerdote, nenhum sacerdote da linhagem de Arão foi Rei. Melquisedeque (rei de justiça) era rei de Salém que significa paz, Jesus é nossa justiça, nosso Rei da Paz e Sumo Sacerdote. Portanto, Melquisedeque tem mais semelhança com Cristo do que Arão. “O autor, depois de identificar Melquisedeque com Cristo, mostra a superioridade dele em relação a Arão ao explicar que este pagava o dízimo a Melquisedeque, mesmo antes de ser gerado em Abraão”.

2. O argumento doutrinal: Cristo e Arão (vs. 11-25): Fundamentado em Salmo 110:4 há três fatos: a) Melquisedeque substituiu Arão; b) Arão não foi ordenado por um juramento; e, c) Arão e seus sucessores morrem, mas Cristo vive para sempre.

3. O argumento prático: Cristo e o cristão (vs. 26-28): Nenhum dos descendentes de Arão possuiu as qualidades de Cristo, e nós, pecadores, precisamos de um sacerdote bem mais superior que o sacerdócio levítico ou aarônico. Em Cristo “nós temos um Sumo sacerdote perfeito, mais santo e mais alto que qualquer sacerdote que haja sobre a terra, porque Ele ministra no tabernáculo celestial na presença de Deus”.

Sintetizando...
1. Em Cristo temos um caminho muito melhor para se achegar a Deus, portanto, podemos conhecê-lO melhor.
2. Em Cristo estamos firmados em uma nova aliança, portanto, podemos comprometer-nos ainda mais com Deus.
3. Em Cristo, temos um defensor e Salvador disposto a tudo para levar-nos à eternidade, confiemos nossa vida a Ele.

Consagremo-nos! Reavivemo-nos!

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

 “Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Comentários bíblicos do Antigo e Novo Testamento você encontra em:

Hebreus 7 Comentários de Felix H. Cortez

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica   Hebreus  7
Comentários  de  Felix H. Cortez

Hebreus 6 termina com a ideia de que Jesus é a “âncora firme e segura da alma ” (6:19). Hebreus 7 explica o porquê.

O capítulo está dividido em duas grandes seções. Os versos 1-10 descrevem três principais características de Melquisedeque que prefiguravam o sacerdócio de Jesus. Os versos 11-28 explicam como essas características, cumpridas em Jesus, nos fornecem total segurança.

O nome Melquisedeque significa que ele é um rei de justiça (v. 2). Isto prefigurava Jesus, que é “santo, inculpável, puro, separado dos pecadores … perfeito para sempre” (Hebreus 7:26-28). Não há pecados que possam separá-lo do Pai. Ele está perfeitamente qualificado a se aproximar de Deus em nosso favor, sem impedimento.

Melquisedeque era rei de Salém, o que significa rei de paz (v. 2). O autor diz que enquanto a lei da ordem sacerdotal de Levi não poderia aperfeiçoar os adoradores, o ministério de Jesus traz a perfeição (vs. 11, 18-19). Perfeição está relacionada com a palavra hebraica “paz” (שלום – shalom), que significa também “inteiro, completo”. Jesus traz a perfeição no sentido de que ele pode realmente proporcionar a remissão dos pecados (10:1-4) e também nos fornece acesso a Deus (10:19-23).

Melquisedeque não tem genealogia (v. 3a). Ele não era um sacerdote, porque ele pertencia a uma família de sacerdotes – como era o caso de Aarão. Na verdade, ele foi feito sacerdote através de um juramento, que não pode ser quebrado (7:20-22). O autor sugere que a Escritura não registra a genealogia de Melquisedeque para que ele pudesse “se parecer” com o Filho de Deus, que realmente não tinha “nem princípio de dias nem fim de vida” (v. 3b).

Assim, o sacerdócio de Jesus fornece uma certeza que o sacerdócio levítico não podia oferecer. Ele é um sacerdote perfeito que tem acesso irrestrito a Deus. Ele proporciona limpeza completa. Ele também vive para sempre para interceder por nós. Que maravilhoso amor tem Deus a ponto de ter designado Jesus para ser o nosso sumo sacerdote.

Precisamos nos apegar a Ele como a âncora de nossa alma, segura e firme!

Felix H. Cortez
Andrews University Theological Seminary
Estados Unidos

sábado, 30 de maio de 2015

Hebreus 6 Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Lições de Vida

Leitura Bíblica- Hebreus 6
Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Igual a crianças, têm cristãos que pensam saber alguma coisa (principalmente quando despencam para o erro), e creem que seus pensamentos/desejos incorretos estão certos. O que o Espírito Santo diz a estes cristãos?

“Vamos abandonar os rabiscos da pré-escola e passar para as grandes obras de arte que retratam Cristo. Cresçam em Cristo. As verdades fundamentais estão estabelecidas: virar as costas para a ‘salvação da autoajuda’ e se voltar para Deus com toda confiança; instruções batismais; imposição das mãos; ressurreição dos mortos; castigo eterno [...]. Mas isso não é tudo. Continuemos” (vs. 1-3).

Tem gente que pensa que alimento sólido são datas proféticas, esboços e cronogramas históricos complexos, estudos extra-bíblicos, especulações teológicas, etc. Mas é Cristo. Ele...

1. É maior que os profetas;
2. É maior que os anjos;
3. É maior que Moisés;
4. É maior que Josué;
5. É Sumo Sacerdote superior ao sumo sacerdote Arão;
6. Está num Santuário melhor que o do Antigo Testamento.

Dar ênfase a outra coisa, diminuir Cristo, buscar outros meios de salvação, abandonar a fé, tudo isso significa crucificar Cristo outra vez, repudiá-lO em público, preparar a própria armadilha e decidir-se pela perdição (vs. 4-8).

“Amigos, estou certo de que isso não acontecerá com vocês. Tenho os melhores pensamentos a respeito de vocês – pensamentos sobre a salvação”; entretanto, “não voltem atrás. Sejam como aqueles que nunca perderam a fé e receberam tudo que foi prometido a eles” (vs. 9-12).

Deus prometeu salvação aos que apegarem-se a Ele, somente a estes. Como Abraão, é preciso que agarremos a promessa, certos de “que Deus não pode quebrar Sua própria palavra”. Ele é imutável e fiel (vs. 13-18).

A fé deve conduzir-nos à “presença de Deus, onde Jesus está” como Sumo Sacerdote em nosso favor, “na ordem de Melquisedeque” (vs. 18-20).

Aplicações:

1. Perder-se em emaranhados especulativos é perigoso;
2. Cair da graça é chafurdar-se na desgraça;
3. Infantilidade espiritual deturpa o cristianismo;
4. Maturidade espiritual implica crescer intensa e incessantemente em Cristo;
5. Apostasia é o caminho da rebeldia que tem como destino o inferno;
6. Há apóstatas na igreja tentando desviar os desaviados/incautos/infantes... Cuidado!
7. Firme-se nas promessas de Jesus!

Permita que a esperança nas promessas divinas seja tua âncora frente às ameaças espirituais. Reavivemo-nos!

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

 “Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Comentários bíblicos do Antigo e Novo Testamento você encontra em:

Hebreus 6 Comentários de Felix H. Cortez

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica   Hebreus  6
Comentários  de  Felix H. Cortez

De todos os capítulos de Hebreus, esse é o que provavelmente mais tem causado consternação entre os cristãos. É realmente possível que uma pessoa possa ir além da graça de Deus? Existem pessoas que Deus realmente não pode perdoar? Sim, este capítulo diz que é possível.

Nos versos 1-3 o apóstolo diz que seus leitores precisam avançar em seu conhecimento do evangelho. Eles precisam comer o alimento espiritual dos adultos. Sua recusa em fazê-lo não só interrompe o crescimento, mas também pode levar à morte de sua relação com Cristo. Os versos 4-6 argumentam que o problema não é a possibilidade de haver um pecado grande demais para ser perdoado (pois o sangue de Jesus pode cobrir qualquer pecado, I João 1:7), mas que uma vez que o dom de Deus tenha sido apreciado e, em seguida, rejeitado, a pessoa assim neutraliza os meios que Deus usa para sua salvação. Na verdade, nesse caso possuir dons do Espírito pode causar mais distanciamento de Deus (vs. 7-8).

Felizmente, esse não é o caso da audiência da carta. Eles estão no caminho para a salvação. Eles precisam, no entanto, fazer duas coisas: (1) manter sua esperança até o fim e (2) ter paciência e perseverança (vv 9-12).

No resto do capítulo, o autor explica como realizar essas duas coisas. Os versos 13-15 descrevem Abraão como um exemplo de perseverança a imitar e os vs. 16-20 apresentam Jesus como a âncora firme da esperança do crente. Deus jurou a Abraão que através de sua descendência iria abençoar todas as famílias da terra (isto é, você e eu). Ao entronizar Jesus à Sua mão direita, Deus começou a cumprir Sua promessa a Abraão. É impossível que Ele esqueça do Seu juramento.

Jesus é a âncora de nossa alma!

Felix H. Cortez
Andrews University Theological Seminary
Estados Unidos


sexta-feira, 29 de maio de 2015

Hebreus 5 Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Lições de Vida
 Leitura Bíblica- Hebreus 5

Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Tem gente que não amadurece nunca; permanece sempre infantil: A idade mental não condiz com a idade biológica. Da mesma forma, existem crentes que não amadurecem, se tornam mais infantis quanto mais o tempo passa. Quando deveriam ser adultos, continuam agindo como bebês espirituais, almejando papinhas teológicas.

Na doutrina da salvação a imaturidade despenca para o legalismo ou para a libertinagem, o primeiro crê ser conservador, o segundo rotula-se mente aberta. O que o escritor de Hebreus diria a estes? Eu imagino que seria: CRESÇAM! AMADUREÇAM!

O capítulo em questão ensina-nos coisas demasiadamente profundas, mas poderiam ser ainda mais, caso os primeiros leitores fossem maduros (vs. 11-14).

Que pena... Mas, também, que bom! Pois, estes assuntos de Hebreus já são complexos demais para muitos crentes atuais – imagina se os leitores da época fossem maduros e tivéssemos um texto com conteúdo ainda mais profundo!?

A seguir, destacam-se pontos importantes dos versículos 1-10. Observe-os com atenção e oração a fim de crescer na fé:

1. Os Sumo Sacerdotes ou sacerdotes do Antigo Testamento eram meramente ilustrativos/réplicas/tipos, devido a que também deviam oferecer sacrifícios a si mesmos. Portanto, havia a necessidade de um Sumo Sacerdote real.

2. O Sumo Sacerdote não deveria ser anjo, deveria ser humano para compreender, compadecer-se e representar o ser humano pecador perante Deus. Quem?

3. O Sumo Sacerdote não poderia autonomear-se, deveria ser nomeado por Deus a fim de estar em Sua presença representando o pecador.

4. Não havia nenhum ser humano que pudesse exercer esse ofício devido ao pecado, senão Jesus Cristo que, sendo divino, fez-Se humano; então, como Ele é Divino, entende a Deus e como também é humano, compreende e intercede pelos pecadores perante Deus.

Jesus enfrentou sofrimento, dor, aflição e morte. Como foi sempre submisso, não precisou aprender “a obediência, mas o custo da mesma... O preço de nossa redenção era caríssimo... mas Jesus estava pronto a pagá-lo” (S. J. Schwantes).

“Enquanto viveu na terra, antecipando a morte, Jesus clamou de dor e lamentou de tristeza, enquanto apresentava Suas orações sacerdotais a Deus... Ele se tornou a fonte da salvação eterna para todos os que obedecem a Ele confiadamente” (vs. 7-10). Entendeu?

Obediência constante é evidência desse sacrifício no crente confiante em Cristo!

Cresçamos... Amadureçamos... Reavivemo-nos!

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

 “Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Comentários bíblicos do Antigo e Novo Testamento você encontra em:

Hebreus 5 Comentários de Felix H. Cortez

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica   Hebreus  5
Comentários  de  Felix H. Cortez

Hebreus 5 nos diz que Jesus foi nomeado nosso sumo sacerdote. Na visão do mundo antigo, sacerdotes eram nomeados para mediar entre Deus e os seres humanos. Eles se purificavam para lidar com o mundo divino e sabiam como se aproximar de Deus a fim de receber as bênçãos solicitadas.

Os versos 1-6 nos dizem que foi o próprio Deus quem designou Jesus como sumo sacerdote. Isso nos lembra de que o Pai sempre quis restaurar o seu relacionamento conosco. Deus escolheu Jesus porque ele era o “Filho”. Conforme vimos em Hebreus 1 e 2, o Filho era ao mesmo tempo um com Deus e um com o homem. Assim, Ele é o mediador perfeito.

Os versos 7-10 dizem que Deus aperfeiçoou Jesus para o cargo de sacerdócio por meio do sofrimento. Por quê? Ele se ofereceu como sacrifício pelo pecado em nosso nome e foi aceito. Este capítulo também enfatiza que Jesus ao obedecer experimentou o sofrimento. Desse modo podemos ter certeza que Ele nos entende quando também passamos por sofrimentos.

Os versos 11-14 afirmam que é difícil para muitos entender a ideia de que Jesus é nosso sumo sacerdote perfeito. Mas o cristão maduro entende que há somente um mediador e que este mediador é Jesus (1 Timóteo 2:5).

Felix H. Cortez
Universidade Andrews
Estados Unidos






quinta-feira, 28 de maio de 2015

Hebreus 4 Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Lições de Vida  

Leitura Bíblica- Hebreus 4
Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Tua alma está aflita? Teu coração está angustiado? O estresse da vida agitada te deixa exausto, esgotado e depressivo? Jesus oferece a solução, nEle você encontrará perdão, paz, alegria e certeza da salvação. Tem coisa melhor?

Há um repouso, um descanso, muito além do que pode prover uma viagem num cruzeiro ou dormir o quanto quiser. Essa tranquilidade está disponível a todos, pena que poucos a desfrutam. Aproveitemos esta oportunidade conhecendo o melhor método de relaxar...

O texto em apreço oferece-nos três conceitos de descanso, de acordo com Alberto Timm; o descanso...

1. ...do próprio Deus no sétimo dia da semana da Criação (vs. 4, 10);
2. ...no qual deveria ter entrado Israel (vs. 3, 5, 8);
3. ...no qual os cristãos devem entrar (vs. 3, 9, 11).

Deus descansou na criação com o ser humano; este, logo caiu em pecado, o qual roubou a paz do coração. Deus prometeu descanso ao pecador, o qual não logrou vivenciá-lo devido à tamanha incredulidade e rebeldia demonstrada. Portanto, o convite divino ainda é válido...

“É neste quarto capítulo da Epístola aos Hebreus que o autor trata do descanso da fé como um aspecto importante e estrutural da vida em santidade. É descanso não apenas da culpa e do poder do pecado, mas também da presença do próprio pecado” (Orton H. Wiley).

O sábado é base do exemplo de descanso prometido aos que creem em Cristo. “Durante o tempo de nossa vida na terra, nós celebramos o sábado e entendemos só parcialmente o que o descanso sabático envolve. Na vida porvir, nós experimentamos o descanso de Deus totalmente, pois então teremos entrado num descanso eterno” (Simon Kistemaker)

Podemos descansar em Deus através de Cristo. “Ele conhece nossas necessidades mais profundas, mais secretas. Por meio de Sua Palavra, nós podemos ouvir Sua voz no nosso ‘hoje’; e quando respondermos positivamente, Ele nos guiará às soluções para as nossas necessidades” (Lawrence Richards).

Podemos encontrar conforto porque “através de Jesus Cristo, o Sumo Sacerdote verdadeiro, o trono de Deus tornou-se para nós um trono de graça” (Fritz Laubach).

Descansando no sábado...
• ...antecipamos o descanso na eternidade;
• ...experimentamos a provisão do Senhor do sábado: Salvação e perdão;
• ...entramos no descanso divino.

Eis o segredo para descansar neste mundo agitado!

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

 “Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Comentários bíblicos do Antigo e Novo Testamento você encontra em:

Hebreus 4 Comentários de Felix H. Cortez

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica   Hebreus 4
Comentários  de  Felix H. Cortez

Hebreus 4 contém duas exortações para nós: “Portanto, esforcemo-nos por entrar nesse descanso …” (v. 11 NVI) e “aproximemo-nos do trono da graça com toda a confiança …” (v. 16 NVI).

O verdadeiro descanso é algo difícil para nós alcançarmos. Isso implica pelo menos duas coisas: (1) que o trabalho tenha sido feito e (2) que tenhamos feito provisão perfeita para as necessidades do futuro. Embora seja verdade que podemos tirar alguns dias de folga do trabalho ou umas férias com o propósito de “descansar”, quem de nós pode realmente dizer que terminou completamente seu trabalho e fez provisão perfeita para o futuro? É por isso que Deus não nos convida simplesmente para descansar, mas para entrarmos em Seu descanso (vs. 1-11). É um descanso proporcionado pela graça divida que nos possibilita desfrutar livremente de algo que pertence somente a Deus.

Os versos 1-5 argumentam que Israel não entrou naquele descanso quando  entrou em Canaã, porque somente através da fé se pode desfrutar do verdadeiro descanso. Ele não se refere a uma terra, mas ao descanso no qual Deus entrou ao criar o Sábado, ao terminar Seu trabalho e fazer provisão perfeita para nós de tudo que precisávamos.

Os versos 6-11 argumentam que este descanso está disponível hoje por meio da fé. O verso 9 descreve-o como um descanso sabático porque pela fé a cada Sábado a obra perfeita de Deus e a perfeita provisão se tornam nossa. Nós não trabalhamos para conseguir isso. Nós não adquirimos essas bênçãos por nossos esforços. É um descanso oferecido pela graça e aceito pela fé.

Os versos 14-16 nos convidam a nos aproximarmos de Deus no santuário celestial. Este não é um segundo convite, mas é o mesmo dos versos anteriores porque no Antigo Testamento o templo é também chamado de descanso de Deus (2 Crônicas 6:41; Isaías 66:1; Salmo 95). Sim, quando adoramos a Deus, deixamos para trás nossos trabalhos semiacabados e, na melhor das hipóteses, as nossas provisões parciais para o futuro e entramos, por meio da fé, na perfeita obra de Deus e na Sua perfeita provisão. Trata-se, novamente, de um descanso provido pela graça.

Nós não precisamos esperar até o próximo sábado para entrar naquele descanso. O descanso da graça está disponível “hoje”, por meio da fé, para aqueles que acreditam e confiam plenamente em Deus.

Felix H. Cortez
Universidade Andrews
Estados Unidos


quarta-feira, 27 de maio de 2015

Hebreus 3 Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Lições de Vida  

Leitura Bíblica- Hebreus 3
Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Quem é maior que tudo e todos? Quem é maior que Einstein, Copérnico, Galileu, Aristóteles, etc.? Quem é maior que Papai-Noel e coelhos de páscoa? Quem é maior que Maomé, Buda e Moisés? O capítulo em questão afirma que Jesus é maior que todos...

Seguir Jesus é mais que importante e sublime, é extraordinário e fundamental.

1. Jesus supera ao maior dos Profetas de todos os tempos. Jesus é maior em posição que Moisés. Ele é Apóstolo e Sumo Sacerdote (v. 1).
2. Jesus é superior a Moisés, o primeiro escritor da Bíblia, devido a Ser o cumprimento de tudo o que fora escrito (v. 2).
3. Jesus supera a todos em honra; embora Moisés fora mui honrado entre os judeus e até além dos limites judaicos, Jesus é digno de muito maior honra que ele (vs. 3-6).

4. Jesus é superior em auxílio, Ele está sempre presente como autor, provedor, proprietário, arquiteto, investidor, construtor, fornecedor e consolador de Seu amado povo (vs. 6-19).

Por tudo isso, não permita que a incredulidade te afaste da presença santificadora de Deus (v. 12) nem deixe de deleitar-te nEle (v. 6). Pois Jesus é a nossa alegria e esperança. A dureza do coração gera incredulidade, o que destrói o relacionamento com Jesus, o único que resolve o problema do pecador.

O afastamento de Deus acende algumas luzes de alerta, fique atento:

1. A ilusão do pecado promove a incredulidade do coração. O incrédulo é teimoso em suas ideias sem fundamentos, alheio à revelação de Deus por meio de Seu Espírito. Sua alma é insensível a Deus e a Sua Palavra, isto promove a rebeldia (vs. 7-10).

2. A ilusão da descrença resulta em aflição e angústia. O distanciamento de Deus relacionado com o desprezo a Cristo rouba a paz do coração, o descanso que todos tanto almejam (v. 11).

3. A ilusão do pecado, o qual parece atraente e gostoso, mas apodrece a alma, azeda o espírito e corrompe a moralidade (vs. 12-16).

4. A ilusão do coração teimoso, rebelde e descrente gera desgraça mesmo frente a tanta oportunidade oferecida pela graça divina (vs. 17-19).

Portanto, não deixe para amanhã o que se pode fazer hoje: Ouça a Deus. Não O ignore hoje por nada!
Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

 “Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Comentários bíblicos do Antigo e Novo Testamento você encontra em:

Hebreus 3 Comentários de Felix H. Cortez

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica   Hebreus 3
Comentários  de  Felix H. Cortez

Ao lermos Hebreus 3 e pensarmos na enorme oportunidade desperdiçada pela geração israelita do deserto de entrar na terra prometida, podemos ser tentados a pensar que teríamos feito diferente caso estivéssemos na mesma situação.

O autor de Hebreus diz, entretanto, que “hoje” temos exatamente a mesma oportunidade. Se quisermos, podemos entrar no descanso de Deus.

O convite vem no contexto de dois exemplos contrastantes. Os versos 1-6 falam sobre o sumo sacerdote Jesus que é fiel sobre a casa de Deus. Estas palavras de Hebreus nos fazem lembrar da profecia que o “homem de Deus” comunicou ao sumo sacerdote Eli no tempo dos juízes (1Sm 2:35). Nessa profecia Deus diz: “suscitarei para mim um sacerdote fiel, que procederá segundo o que tenho no coração e na mente”. A mensagem profética de reprovação dizia ainda que Eli desonrara a Deus por não reprovar e disciplinar seus filhos por causa de seus erros. Por isso, Deus iria “cortar” seus descendentes do serviço sacerdotal e estabeleceria um sacerdote fiel que ministraria perante seu ungido para sempre. Isto se cumpriu quando Salomão demitiu Abiatar do ministério e instalou Zadoque em seu lugar (1Rs 2:26-27). No entanto, Zadoque e Salomão somente prenunciavam a vinda de Jesus como o verdadeiro sumo sacerdote sobre a casa de Deus.

O outro exemplo contrastante é a geração israelita do deserto. Eles viram Deus erguer Seu braço e abater a arrogância do Egito com as pragas. Eles caminharam através do Mar Vermelho e comeram maná do céu e água da rocha durante 40 anos. No entanto, eles endureceram o coração.

Por que Israel falhou? Isso tem a ver com o “engano do pecado” (Hb 3:13 ARA). O pecado sugere que a única coisa que importa é “o hoje”. Quando a nossa segurança do “hoje” está ameaçada, tendemos a esquecer do cuidado de Deus no passado e suas promessas para o futuro, porque as exigências do presente sequestram nossa atenção.

Deus, no entanto, nas palavras do Salmo 95, convida-nos a fazer o oposto: não nos esquecermos do que Ele tem feito por nós desde a criação e, assim, não endurecermos nosso coração ao ouvirmos Sua voz (Sl 95:7b,8).

Em Hebreus 3 somos convidados a romper o domínio da urgência, a escravidão do presente, e “hoje” nos lembrarmos tanto do cuidado que Deus tem demonstrado no passado quanto de Suas promessas para o futuro. Então, e somente então, entramos em Seu descanso.

Felix H. Cortez
Universidade Andrews
Estados Unidos


terça-feira, 26 de maio de 2015

Hebreus 2 Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Lições de Vida  

Leitura Bíblica- Hebreus 2
Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Alguns creem que Jesus foi simples homem que viveu neste mundo. Outros creem que é um semi-deus. Há também quem pensa ser Ele homem que tornou-se Deus. Foi para esclarecer quem é Jesus, de fato, que o Espírito Santo inspirou esta carta aos Hebreus.

Se Aquele que deu Sua vida, morreu na cruz é maior que grandes homens, maior que anjos e é tão divino como Deus Pai, valorizaremos ainda mais a incomensurável grandeza e a glória da salvação que está a nossa disposição.

1. Devemos atentar para a revelação divina a fim de não desviarmos dela por caminhos do achismo, legalismo, heresias ou desânimo (v. 1);

2. Devemos considerar com atenção o preço pago por nossa libertação e redenção, pois, entrando pelo caminho de apostasia da verdade, corremos risco de perder os efeitos do sacrifício de Cristo (vs. 2-3);

3. A obra de Cristo é grandiosa, sublime e preciosa devido a sua nobreza, que, ao fazer-Se humano, não ateve aos benefícios de Sua natureza divina; por causa de sua abrangência, pois Jesus morreu em favor de todos; e, também por causa do custo, o altíssimo preço pago por Cristo tornou a salvação gratuita a nós (a morte de um homem, ou anjo ou, qualquer outra criatura, não seria suficiente) (vs. 4-10);

4. O sofrimento, sacrifício/morte de Cristo trazem ao pecador, benefícios inigualáveis/incomparáveis tais como: Santificação de pecadores, vitória sobre a morte, reconciliação do rebelde e transgressor pecador com o santíssimo Deus, e, socorro ao cristão na hora da tentação (vs. 11-18).

Quem não dá o devido valor à Cristo e a Sua obra fraqueja diante da tentação, se torna cristão sem os efeitos da santificação e desanima na fé, além de permanecer desobedecendo e praticando o pecado como qualquer pessoa sem Cristo.

Quando não se tem consciência do valor do fato de Cristo, sendo divino ter-Se tornado humano, vivido e sofrido como homem, e morrido na cruz pelos indignos pecadores, não é possível experimentar os vívidos resultados que Cristo nos oferece gratuitamente.

A vitória de Cristo sobre a morte e o Diabo, a morte que traz reconciliação com Deus e, o socorro frequente frente a toda tentação, torna a vida do cristão diferente da vida de qualquer cidadão sem Cristo. Experimente!

Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

 “Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Comentários bíblicos do Antigo e Novo Testamento você encontra em:

Hebreus 2 Comentários de Felix H. Cortez

Reavivados por Sua Palavra

Leitura Bíblica   Hebreus 2
Comentários  de  Felix H. Cortez

Quando meus filhos eram ainda muito novos eu gostava de ir para o quintal de nossa casa e explorar com eles a magnificência dos céus à noite com a ajuda de um pequeno telescópio. Como somos pequenos em comparação com o vasto universo!

Isso é o que Davi sentiu quando olhou para os céus. Mas Deus mostrou-lhe que o Seu objetivo para o homem é que ele fosse o supremo governante do mundo, responsável por toda a criação (Sl 8:6)! Quão magnífico era o plano de Deus para a humanidade!

O autor de Hebreus sugere, no entanto, que este salmo tem um segundo significado. O salmo também fala que Jesus seria feito “um pouco menor que os anjos” para que pudesse morrer em nosso lugar e nos salvar (vs. 7, 9; Sl 8:5). O segundo capítulo de Hebreus, fornece, então, um complemento à descrição gloriosa de Jesus no capítulo 1.

O primeiro capítulo fala sobre a grandeza da exaltação de Jesus. O capítulo 2 fala sobre as profundezas da encarnação de Jesus (vs. 9-18).

– Hebreus 1:1-14 reflete sobre o relacionamento de Jesus com Deus, mas Hebreus 2:5-18 foca no relacionamento de Jesus com os seres humanos.
– Lá, Ele é o Filho de Deus, “o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser” (Hb. 1:3 ARA); aqui, Ele é o Filho do Homem, feito menor que os anjos, totalmente humano, até mesmo passível de morte.
– Lá, Deus fala ao Filho (1:5); aqui, Jesus responde a Deus (2:12, 13).
– Lá, Deus proclama: “Tu és meu Filho” (1: 5); aqui, Jesus aceita os homens como Seus “irmãos” (v.12).
– Lá, Deus declara a soberania divina do Filho (1:8-12); aqui, o Filho afirma sua lealdade a Deus (v. 13a).
– Lá, Deus convida o Filho: “Senta-Te à Minha direita” (1:13); aqui, o Filho aceita o convite: “Aqui estou eu com os filhos que Deus me deu” (v.13b).
– Lá, Jesus é o divino Senhor, criador, sustentador e soberano (1:2, 3, 6, 8, 10, 13); aqui, Jesus é o sumo sacerdote humano, misericordioso e fiel (2:17).

Assim, a descrição de Jesus como sumo sacerdote fiel e misericordioso (vs. 17, 18) culmina a descrição do Filho como a manifestação suprema de Deus (1:1-4).

Sim, quando pecamos nós nos tornamos ainda menores em relação ao universo. Mas, ao enviar Seu Filho para morrer por nós, Deus mostrou o quanto somos importantes diante dos Seus olhos.

Oh Deus, “Senhor nosso, como é majestoso o teu nome em toda a terra!” (Sl 8:1, 9 NVI).

Felix H. Cortez
Universidade Andrews
Estados Unidos


segunda-feira, 25 de maio de 2015

Hebreus 1 Comentários: Pr. Heber Toth Armí

Lições de Vida  

Leitura Bíblica- Hebreus 1
Comentários: Pr. Heber Toth Armí

O Deus que ama não é indiferente. Não fica distante esperando alguém errar para, então, fulminar. O Deus que ama se comunica pois quer relacionar-se. O Deus da Bíblia falou, fala e ainda falará. Você já O ouviu?

Ele falou por Sua Palavra, antigamente, por meio dos pais e dos profetas. Agora, nos fala através de Jesus (vs. 1-2). E, aos que querem saber Quem realmente é Jesus, devem ler o livro de Hebreus. Quem conhece a Jesus conhece a Deus, porque Jesus é a expressão máxima do Seu ser.

E, Quem de fato, foi/é Jesus? Veja a resposta nos versículos 2-3, em sete pontos. JESUS É...

1. O herdeiro/dono/ proprietário de todas as coisas;

2. O poderoso e supremo Criador do Universo. Deus Pai fez o mundo, mas, por meio de Jesus;

3. O resplendor da glória de Deus. Jesus não é o reflexo de Deus, Ele é a expressão exata da glória de Deus;

4. A representação exata de Deus na Terra. Ele é exegese de Deus, não eisegese. Tal Pai, tal Filho;

5. O sustentador de todas as coisas pela palavra de Seu poder. Ele não é semi-deus ou deus de segunda classe; Ele tem todo poder, é o todo-poderoso até nas palavras;

6. O que fez a purificação dos pecados da humanidade. Sem Ele não haveria nenhuma esperança, só miséria do pecado;

7. O que assentou-se à direita da Majestade nas alturas. Ele morreu, mas ressuscitou; subiu ao Céu e, agora rege o Universo inteiro.

Jesus é superior aos maiores homens (até profetas) que o mundo já teve. Ele é tão divino quanto o Pai. Inclusive, em relação aos anjos, Jesus é superior. Ele só não é superior a Deus Pai, nem inferior.

Em relação aos anjos, por mais poderosos e importantes, em nenhum lugar a Bíblia orienta-nos a adorá-los; pelo contrário, por serem eles criaturas, adoram a Cristo (v. 6).

Se até anjos reconhecem que Jesus é Senhor e O adoram, devemos, no mínimo, fazer o mesmo. Os anjos servem ao Senhor e também os que herdarão a salvação. Anjos são servidores, Jesus é Senhor!

Jesus está no trono, Ele reinará eternamente. Aleluia!

Reconheçamos a importância dos anjos e adore a Jesus! Reavivemos nossa fé em Jesus!
Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
Curta e compartilhe:

 “Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Comentários bíblicos do Antigo e Novo Testamento você encontra em:

Hebreus1 Comentários de Felix H. Cortez

Reavivados por Sua Palavra


Leitura Bíblica   Hebreus  1
Comentários  de  Felix H. Cortez

O livro de Hebreus me faz lembrar o tempo em que eu namorava a bela garota que viria a ser minha esposa. Por dois anos morávamos longe um do outro. As chamadas telefônicas, apesar de caras, eram muito preciosas para nós (Internet e e-mail ainda não estavam disponíveis). Assim, sempre que eu recebia a notícia de que Alma estava ao telefone, eu descia correndo as escadas desde o terceiro andar de onde eu morava para ter certeza de que não perderia a ligação telefônica.

Esse é, de fato, o ponto principal que Hebreus enfatiza: “… nestes últimos dias [Deus] falou-nos por meio do Filho” (Hb 1:2 NVI)! Quão maravilhoso deve ter sido para os israelitas fiéis ouvirem essa notícia. A última vez que Deus havia falado com eles tinha sido vários séculos antes através de Malaquias.

A mensagem de Deus é importante por duas razões: pelo Mensageiro e pela mensagem em si. Os versos 3-4 focam no Filho, o mensageiro. Há aqui sete afirmações sobre Ele. Algumas se referem a Suas realizações impressionantes (criação, sustentação do mundo, etc.), mas outras se referem ao fato surpreendente de que o Filho é UM com Deus. Essa unidade é essencial, pois só aquele que é Deus poderia explicar as coisas que estão no fundo do coração de Deus.

Os versos 5-14 tem foco na mensagem. O autor informa que “nestes últimos dias” Deus cumpriu suas promessas de estabelecer o seu reino por entronizar Jesus em sua “mão direita” (vs. 8, 13; cf 2Sm 7:13; Dn 2:28; Hb 10:12). Os versos 5-14 referem-se também à entronização de Jesus sobre os anjos. Os versos 5-7 declaram que Jesus é o Filho real, em cumprimento à aliança davídica (2Sm 7:14) e os anjos são servos que rendem adoração e obediência ao Filho. Os versos 8-12 mencionam que o Filho que criou o mundo, possui o trono e o cetro de Deus e é eterno. Finalmente, os versos 13-14 afirmam que o filho senta-se à “direita” de Deus e os anjos são “enviados” para servir aos Seus propósitos.

É profundamente comovente pensar que Deus utilizaria o próprio Filho para falar a nós e nos convidar a voltar para Ele. Se Ele não poupou nenhum esforço e custo para enviar-nos Sua mensagem, nada mais justo do que recebermos a Sua mensagem com gratidão e alegria.

Felix H. Cortez
Universidade Andrews
Estados Unidos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...