Receba mensagens em seu Email

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Socorro Divino


Lições de Vida-
Leia na Bíblia- Salmos 54-
Comentários do Pr. (Heber Toth Armí)
A vida não é tão fácil como se imagina. As dificuldades na vida de alguém que faz o bem são reais, embora algumas sejam apenas imaginárias. Entretanto, traição, perseguição e morte é o que Satanás deseja para o é fiel a Deus. O Salmo 54 tem como pano de fundo histórico a traição de Davi pelos zifeus, encontrada em I Samuel 23:19-27; 26:1. O Salmo é um clamor urgente pelo auxílio de Deus. Davi tem consciência de que sem um auxílio sobrenatural de um Deus poderoso e vivo para protegê-lo nesta vida, seus inimigos perversos triunfariam sobre ele. Quem confia em Deus, a exemplo de Davi, tem uma certeza inabalável na proteção divina que promete a Deus uma oferta de gratidão antes de receber a tão almejada proteção. A oração da fé possui as seguintes palavras: “Eu te oferecerei voluntariamente sacrifícios; louvarei o teu nome; ó Senhor, pois é bom; pois me livraste de toda angústia...” (vs. 4-6). Assim, o princípio que deve impactar a nossa vida no Salmo 54 é que a melhor forma de vingar-se dos inimigos é colocá-los nas mãos de Deus através da oração. E, não se surpreenda se Deus operar milagres acabando com todos os teus inimigos de uma forma espetacular: transformando-os em amigos. Caso eles não quiserem, certamente eles serão punidos. Confie em Deus, busque a Sua proteção, tenha certeza de Sua ação sobrenatural e creia em Seus cuidados, pois certamente Deus é um grande ajudador de Seus amados, Ele é quem sustenta a tua vida (v. 4).

A vida de um fiel temente a Deus é complexa, cheia de problemas e perseguições porque não é normal viver piedosamente num mundo em que predomina a impiedade. Davi foi traído duas vezes pelos zifeus, informando a Saul, inimigo mortal de Davi, onde ele se encontrava; criando, assim, oportunidade para matá-lo. Saul era conterrâneo de Davi. os zifeus, não. Davi estava em terras estrangeiras porque em sua terra tinha inimigos. O que Davi fez para ter tantos inimigos, tanto de sua nação como da nação estrangeira? Ele simplesmente se colocou à disposição de Deus para cumprir Seus propósitos, e, imediatamente se tornou alvo de Satanás, o qual usou todos os meios e recursos disponíveis a fim de eliminar àquele que seria a linhagem do Messias. Assim, o Salmo 54 é uma oração profética (vs. 1-3) dos judeus piedosos que elevam aos Céus as Suas petições antes do primeiro advento do Messias (vs. 4-7). Sendo assim, no período neotestamentário, o mesmo se torna uma oração dos cristãos fiéis e consagrados diante da grande tribulação que os aguardam antes do segundo advento de Cristo (Mateus 24:9-13, 15-28). Assim, não de outro modo, o Salmo pode muito bem ser utilizado pela igreja de Deus no tempo do fim, quando os fiéis verão a ruína de seus inimigos que se opõem a Deus e a Seu povo. É imprescindível que aprendas a confiar em Deus desde já para que preserves a tua fé até o fim, a fim de que sejas salvo (Salmo 54:1, 7; Mateus 24:13).

Independente das circunstâncias da vida, embora haja desafios por todo lado, pois os incrédulos não querem ninguém cumprindo a missão divina, é possível avançar com fé e certeza na proteção de Deus. Diante das dificuldades, olhe o Salmo 54, erga a cabeça, colque-se em pé e diga com ímpeto: “Salva-me, ó Deus, pelo teu nome” (v. 1). Reconheça que é o nome de Deus que está em jogo, é a Sua justiça que está sendo perseguida e você é apenas um instrumento para realizar a Sua missão na Terra. Nos momentos críticos da vida, tire forças do profundo de tua alma e clame a Deus dizendo: “Ó Deus, ouve a minha oração, inclina os teus ouvidos às palavras de minha boca” (v. 2). Seja específico e explica-Lhe o que está acontecendo (v. 3), revele tua indignação por causa daqueles que não têm Deus no coração. Então, descansarás na certeza do que Ele te fará; confiarás mais nEle porque perceberás mais nitidamente que estás vivo porque Ele te sustenta (v. 4). Ainda perceberás que os caluniadores falam a fazem o mal ao próximo, os adoradores falam do mal do próximo a Deus (v. 5). Os que não têm Deus no coração querem sacrificar os fieis; entretanto, os fieis oferecem sacrifícios a Deus (v. 6). E, por fim, os ímpios cairão nas próprias armadilhas e os justos serão salvos delas (v. 7). A tua cosmovisão se amplia com a oração. A vida ganha novo brilho depois de orar a Deus por causo do inimigo. Seja fiel, ore e espere a intervenção do Deus que é justo, amoroso e protetor daqueles que O tem em seu coração.
Curta e compartilhe:
Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
“Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Ministério de Oração  -A serviço do Reino de Deus

RPSP- Salmos 54


Reavivados por Sua Palavra #rpsp
Leitura Bíblica  - Salmos 54
Comentários: Garth Bainbridge
Neste Salmo encontramos um pedido urgente de socorro quando os zifeus revelaram para Saul onde ficava o esconderijo de Davi e se ofereceram para ajudá-lo a encontrar e matar a Davi (1Sm 23:19-24). Os Zifeus eram da tribo de Judá, a tribo de Davi, e, no entanto, o traíram delatando-o a Saul.

Se você já foi traído por alguém em quem confiava, este salmo é para você! Na verdade, este é um Salmo para todos nós que vivemos neste mundo terrível, onde a cada dia temos que cair de joelhos e pedir a Deus para nos salvar, proteger e sustentar.

A idéia central do Salmo está no versículo 4: “Certamente Deus é o meu auxílio; é o Senhor que me sustém” (NVI). É por isso que Davi em sua angústia volta-se para Deus. Os dois primeiros versos são um clamor a Deus e, em hebraico, os dois primeiros versos começam com a mesma expressão de súplica: “Oh, Deus!”: “Oh, Deus, salva-me!”; “Oh, Deus, escuta-me!” A oração de Davi é simples e direta.

Quando Pedro estava afundando, apenas clamou: “Senhor, salva-me!” e a mão de Jesus imediatamente se estendeu para salvá-lo . Quando você está em apuros, suas orações se tornam mais simples e diretas. Muitas vezes um mero “Ajuda-me, Senhor!”. Deus não vai desprezar a simplicidade e a espontaneidade de tal oração.

Davi neste salmo apela para três qualidades divinas: Seu nome, Seu poder e Sua fidelidade: “Salva-me, ó Deus, pelo Teu nome; defende-me pelo Teu poder”, v.1, NVI. “Extermina-os por Tua fidelidade!”, v.5, NVI. 1) O próprio nome de Deus, “Jeová”, acha-se presente no nome do nosso Salvador Jesus (Yeshua – Jeová salva). Pedro declarou: “Não há salvação em nenhum outro, pois, debaixo do céu não há nenhum outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (Atos 4:12, NVI). 2) Deus é capaz de salvar por causa do seu poder: “O Senhor, o seu Deus, está em seu meio, poderoso para salvar” (Sofonias 3:17, NVI). 3) Ele nos salva do que nos ameaça porque Ele é sempre fiel e verdadeiro com o pacto que fez com o Seu povo.

Mesmo nesta situação difícil e angustiosa, pela fé Davi visualiza antecipadamente a chegada do seu socorro, dizendo: “Eu te oferecerei um sacrifício voluntário; louvarei o teu nome, ó Senhor, porque Tu és bom. Pois Ele me livrou de todas as minhas angústias…” (v. 6-7, NVI). A oferta voluntária não é exigida, nem forçada – é uma oferta “extra” dada voluntariamente como um sinal de gratidão a Deus, nosso Salvador. Devemos reconhecer que nossas vitórias só acontecem porque Deus age poderosamente em nosso benefício.
Garth Bainbridge

domingo, 29 de setembro de 2013

Lições de vida Salmos 53

Lições de Vida
Leia na Bíblia- Salmos 53-#rpsp
Comentários do Pr. (Heber Toth Armí)
Ateus odeiam a Deus. São incrédulos em suas crenças em relação ao Criador. Elaboram argumentos ilógicos e os recheiam de lógica para confundir os crentes fracos. Eles nunca dão o braço a torcer, nunca se rendem; são tão determinados em crer que Deus não existe que se torna impossível dialogar com eles. A questão é que se você não está a odiar e rejeitar o mundo, seus prazeres, suas vantagens e suas paixões animalescas como os mundanos, secularizados e ateus odeiam a Deus, é imprescindível que comeces a repensar tua religiosidade. Comece lendo o Salmo 53. Tire lições de suas verdades para a tua felicidade. Esse salmo fala de uma sociedade depravada, em que reina a ignorância e a impiedade (vs. 1-3). Sociedade essa em que os perversos odeiam tanto os cidadãos bons e honestos que os devoram com palavras, críticas, piadas, perseguição e injustiças (v. 4). Os que não invocam a Deus odeiam os que O invocam. Os que não amam a Deus odeiam aos que O amam. Os que não servem a Deus desprezam os que O servem. Os incrédulos odeiam os crentes. Por quê? Simplesmente por que destruiriam a Deus se O encontrassem; como não O encontram, tentam destruir os que Lhe pertencem. O que certo é que Deus irá julgar a todos. Aí os incrédulos e apóstatas que abandonaram a Deus serão condenados por suas investidas injustas contra os justos; então os fieis remanescentes se alegrarão na salvação (vs. 5-6). Condenação ou salvação, o destino você escolhe!

Deus não está tão distante a ponto de não ver o que acontece na Terra. Embora este Planeta seja um pequenino ponto no Universo infinito, Ele é alvo da atenção de dos seres celestiais. “Deus olha dos Céus para os filhos dos homens” (Salmo 53:2). Ele anseia encontrar alguém que tenha verdadeiro entendimento e O busca de verdade. Mas, o que Ele vê quando observa a Terra?
1. O comportamento do insensato (vs. 1-2);
2. O comportamento do corrupto (vs. 3-4);
3. O comportamento do medroso (vs. 5-6);
4. O comportamento do justo (v. 7).
O insensato revela tolice, ignorância e incredulidade, promove falsidade e perversidade na sociedade e induz muita gente a crer em suas loucuras. O corrupto corrompe-se com impurezas e imoralidades que o torna imundo diante de Deus; ele não ora, nem para agradecer o alimento, pois vive alheio a Deus e aos Seus mandamentos. O medroso age movido pelo pavor, faz o certo não por amor ou convicção, mas por terror a Deus e o juízo final. O justo é o que liberta-se do pecado para vencer o mal, ele é alegre e feliz por ter aceitado a salvação oferecida de graça por Deus; por isso se une e se alegra na trajetória rumo ao Céu. O que Deus vê quando olha para você?

Deus olha para todos, inclusive para ateus. Deus anseia que ateus, incrédulos, indiferentes e corruptos se convertam a Ele. Através do Salmo 53 fica claro que Deus espera que todos sejam justos, por isso revela o fim do perseverante em contrariar o bem e Seu plano de Salvação. Então, Ele revela que...
1. Quem nega a existência de Deus age como tolo, ignorante; é um incrédulo que se nega a crer diante de grandes evidências, pois é mais cômodo pecar crendo que Deus não existe (vs. 1-2, 4).
2. Quem ignora a existência de Deus vive na corrupção e na prática de abominações imundas, tornando-o imundo diante de um Deus santo (vs. 1, 3).
3. Quem afirma ser crente, mas vive um ateísmo pragmático, não nega a Deus com palavras, mas com atitudes; age por medo, por isso seu comportamento é inaceitável, precisa mudar (v. 5).
4. Quem ama a Deus não é perfeito, mas se apega à salvação oferecida por Deus a fim de libertar-se do pecado – é isso que Deus espera de todos (v. 7).
Agora, identifique o teu comportamento; veja quais as vantagens de buscar a Deus e aceitar a salvação e alegre-se servindo a Deus todos os dias, apesar dos obstáculos! Qual será tua decisão diante do anseio de Deus para você?
Curta e compartilhe:
Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
“Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Ministério de Oração  -A serviço do Reino de Deus

RPSP- Salmos 53


Reavivados por Sua Palavra #rpsp
Leitura Bíblica  - Salmos 53
Comentários: Garth Bainbridge
O salmo 53 é uma cópia quase exata do salmo 14. Davi escreveu o Salmo 14 como o temos agora, mas o salmo 53 foi adaptado deste para refletir uma nova situação. Ambos os Salmos se direcionam aos tolos malfeitores que dizem que Deus não existe, mas cada capítulo responde a um grupo diferente daqueles que negam a existência de Deus. Este Salmo diz que eles foram "tomados de pavor, quando não existe motivo algum para temer! Pois foi Deus quem espalhou os ossos dos que atacaram você" (v. 5, NVI). Podemos imaginar isto sendo escrito após Senaqueribe ter atacado Jerusalém, só para ter seu exército de 185 mil soldados destruído por um anjo de Deus, que deixou seus ossos espalhados do lado de fora das muralhas da cidade.

"Diz o tolo em seu coração: ‘Deus não existe!’ ” Isto não quer dizer que o tolo realmente nega a existência de Deus - no mundo antigo praticamente ninguém era ateu, todos acreditavam na existência de seres sobrenaturais. Mas o tolo vive sem a referência de Deus. Para ele, Deus pode  interferir na vida dos humanos, mas preferiria não fazer isso. Entretanto, quando as coisas vão mal, o tolo instintivamente se volta para um poder maior do que ele próprio.

Se nós conduzimos nossas vidas diárias como se Deus não existisse, nós somos os maiores tolos de todos. Isto também é verdade se mantemos Deus associado somente ao Sábado e prosseguimos nosso atrapalhado e egoísta modo de vida pelos próximos seis dias, com quase nenhum pensamento dirigido a Ele até o próximo Sábado.

Os tolos que dizem que Deus não existe "corromperam-se e cometeram injustiças detestáveis; não há ninguém que faça o bem” (v. 1b, NVI). Remova Deus do cenário e não mais haverá ponto de referência moral. Todo mundo faz o que é correto aos seus próprios olhos. Os ateus acreditam que a moralidade está inteiramente relacionada  com  a cultura social ou à consciência do indivíduo, mas ambos os conceitos têm se mostrado não confiáveis e incapazes de levar à moralidade.

Num mundo governado pelo conceito evolutivo da lei do mais forte [original: tooth and claw – dentes e garras], a regra é “cada um por si”, independente do meio utilizado. A auto-preservação é a lei básica desse conceito em que Deus é excluído. Auto- promoção é o seu maior objetivo; porém no final temos a auto-destruição. No entanto, eles utilizam qualquer argumento que desvincule o universo de seu Criador. 

Mas Deus não se separa de Sua criação: “Deus olha lá dos céus [...] para ver se há alguém que tenha entendimento, alguém que busque a Deus” (v. 2 NVI). Ele não está longe de nós;
Ele se preocupa conosco e quer que saibamos que o melhor da vida gira em torno dEle . A arrogância intelectual de uma ciência que rejeita a noção de Deus nunca pode satisfazer a fome de verdade da alma ou restaurar a profunda fragilidade de nosso mundo. Mas onde quer que se busque e se encontre a Deus há uma sensação de paz e plenitude, de propósito e esperança.

Senhor, neste tempo de tanta descrença, eu Te busco. Restaura-me! Restaura o Teu povo!
Garth Bainbridge

sábado, 28 de setembro de 2013

Nossa Oração - Projeto Volta

Lições de Vida - Salmos 52


Lições de Vida
Leia na Bíblia- Salmos 52-#rpsp
Comentários do Pr. (Heber Toth Armí)
A língua é um instrumento terrível de destruição de pessoas. Quase que incontrolável, para não dizer que ela é indomável. No Salmo 52 há uma metáfora forte, porém real, que diz: “A língua do malvado é como navalha afiada” (v. 2); a qual intenta o mal e traça enganos, e pior é que ela se jacta na maldade sendo uma vergonha diante de Deus (v. 1). A língua afiada como uma navalha ama mais o mal do que o bem; ama mais a mentira do que a verdade, a justiça e a virtude (v. 3). Quem possui uma língua assim só fala besteira, piadas sujas, palavrões, grosserias, fofocas e outras perversidades, pois ama a todas as palavras devoradoras essa língua fraudulenta (v. 4). O que as pessoas que possuem esse tipo de língua devem saber é que Deus irá julgar as palavras. O próprio Jesus disse em Mateus 12:37: “Pelas tuas palavras serás justificado e pelas tuas palavras serás condenado”. É por isso que o salmista continua e diz convictamente ao proprietário da língua afiada e cortante como uma navalha: “Certamente Deus te destruirá para sempre; arrebatar-te-á e arrancar-te-á da tua habitação e te extirpará da terra dos viventes” (v. 5). Agora, a língua que antes destruía aos outros se torna instrumento de destruição própria. O proprietário da língua afiada como navalha deveria arrepender-se de seus erros, pedir perdão, humilhar-se e pedir que seja controlada pelo Espírito Santo; do contrário, será nem no inferno falará, pois será plenamente destruída!

Quem confia em si mesmo está fadado ao fracasso. A falta de responsabilidade na vida frente ao autor da vida deve levar-nos a preocupar com o juízo final e, então, tomar uma atitude. Quem não tem Deus não tem freio na língua. Com ela corta, fere e rasga o coração das pessoas como navalha afiada. Sua atividade é calúnia, insulto e mentira e causa dano onde quer que esteja, é a pior arma que uma pessoa pode ter. Línguas assim são corrosivas. Porém, Deus tem poder de transformar. Diga a Ele que você tem feito uso da crítica, mas quer trocá-la por elogio; peça a Ele que não deixe escapar de teus lábios nenhuma palavra ferina, cruel e destrutiva. Reconheça que você é cruel quando fala dos outros. Confesse que você tem um instrumento de destruição, mas que você quer o perdão que resulte em transformação. Pois no Salmo 52 diz que as pessoas cuja língua não é transformada serão destruídas. Peça que Deus purifique tua língua e dome as tuas palavras. Reconheça tua fraqueza, confie em Deus; são os que não confiam nEle que não mudam, pois não há força suficiente para fazer o certo confiando em si mesmo (v. 7). Eis aí a essência do pecado: confiar em si mesmo. Quem se orgulha de si mesmo, é uma vergonha aos olhos de Deus, mas é um sem vergonha aos olhos das pessoas. Você, que quer mudar, tome a Deus por tua fortaleza, sem confiar em teus recursos e em suas habilidades perversas. Há esperança para você!

O tempo do fim tem pessoas cruéis, arrogantes, orgulhosas, falsas, egoístas, fraudulentas, agressivas, perversas, etc. (II Timóteo 3:1-5). A mentira, que tem por pai a Satanás (João 8:44), tornará poderosos aos malvados, que se gloriarão o dia inteiro em sua religião (II Tessalonicenses 2:3-4, 9-10). Estas pessoas podem são descritas no Salmo 52:1-5. Assim como no verso 6, em II Tessalonicenses 2:8 diz que o iníquo que arrogantemente falou enganos e se jacta de sua posição será revelado e destruído com o sopro da boca de Deus. Antes, porém, os justos estarão neste mundo sendo ameaçados com a navalha afiada dos arrogantes religiosos, mas não os temerão; pois sabem o destino deles (Salmo 52:6-7). Nos dias críticos do tempo do fim, os que confiaram em Deus, se fortaleceram na fé ao adorar ao Criador em Sua igreja e se envolveram nos braços poderosos de amor do Salvador, florescerão como a oliveira e cantarão louvores ao justo Juiz (vs. 8-9). A oliveira é quase impossível destruí-la. Podem cortá-la e queimá-la, mas logo brotará da terra com força e vigor para se tornar árvore frondosa novamente. Assim é o que confia em Deus e O adora em Seu templo. Então, hoje não é dia de ficar em casa, é dia de ir à Casa de Deus. Saia já de sua casa e corra rapidamente para a Casa de Deus. Não permita que o inimigo te enfraqueça com palavras, mas com tuas palavras exalte o nome de Deus com outros adoradores. Espere no nome de Deus, pois Ele é bom!
Curta e compartilhe:
Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
“Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Ministério de Oração  -A serviço do Reino de Deus

RPSP- Salmos 52


Reavivados por Sua Palavra #rpsp
Leitura Bíblica  - Salmos 52
Comentários: Garth Bainbridge
Este Salmo refere-se a um evento específico: “Poema de Davi, quando o edomita Doegue foi a Saul e lhe contou: ‘Davi foi à casa de Aimeleque’ “. Este foi um dos momentos mais sombrios da história de Israel . Saul assassinou todos os sacerdotes da família de Aimeleque, e também os habitantes de Nobe (1 Samuel 22), por terem ajudado a Davi quando ele fugia de Saul.

A mensagem é perfeitamente aplicável ao mundo de hoje. Você já conviveu com uma pessoa opressora fisicamente ou emocionalmente? Alguns de vocês, que estão lendo este comentário, certamente sabem como é a vida sob um ditador cruel, um empregador insensível e explorador, um cônjuge abusivo, ou um relacionamento com um manipulador ardiloso. Esta é a situação a que o Salmo 52 se refere.

Os primeiros quatro versos descrevem o abusador de poder, o “homem poderoso”, que planeja a destruição dos outros, que se vangloria o tempo todo, que ama o mal em vez do bem, a falsidade em vez da verdade, e cujas palavras são enganadoras e nocivas. Tal pessoa, diz o versículo 1, é uma vergonha para Deus.

As primeiras palavras do versículo 5 introduzem um fator que o homem mau não leva em consideração: “Certamente Deus. . . “. A seguir, em termos mais drásticos, apresenta o que Deus fará com o homem ímpio. Seja nesta vida ou na futura, sua ruína será definitiva e completa.

Por outro lado, no início do verso 8, encontramos Davi, identificado por meio de duas palavras: “Mas eu. . . “. Em contraste com o ímpio “homem poderoso”, que será destruído, as palavras de Davi são todas sobre a vida eterna e um futuro sem fim, porque ele confia no amor infalível de Deus e põe a sua esperança no bom nome de Deus.

Que palavras você prefere ter em sua lápide? As do versículo 7: “Veja só o homem que rejeitou a Deus como refúgio; confiou em sua grande riqueza e buscou refúgio em sua maldade!” (NVI), ou as do versículo 8: “eu sou como uma oliveira que floresce na casa de Deus; confio no amor de Deus para todo o sempre” (NVI)? Essa escolha terá resultados eternos.
Garth Bainbridge

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Lições de vida- Salmos 51


Lições de Vida
Leia na Bíblia- Salmos 51-#rpsp

Comentários do Pr. (Heber Toth Armí)
As pessoas erram sem querer ou mesmo querendo. É muito fácil cometer erros, falhar e pecar. Após entrar o pecado no mundo a natureza física e moral das pessoas tornou-se tão depravada que o combustível inflamável e o alimento para quaisquer pecados estão inerentemente impregnados dentro e fora do coração, da mente e da alma humana. Claro que muitos só reconhecem o erro e a falta alheia, isto é um dos sintomas do pecado; porém, toda pessoa que sinceramente olhar para si mesmo com olhares tão críticos quanto normalmente olha aos outros, perceberá que é pecador de nascença e tem habilidade nata para pecar (Salmo 51). Entretanto, enquanto você tiver como justificar, explicar e aliviar superficialmente a culpa do pecado e as consequências de suas ações, tua alma nunca buscará o poder restaurador do perdão oriundo da graça de Deus. Então, não permita um momento sequer que teu coração se acomode com o estado em que se encontra. Não se deixe endurecer pelo engano do pecado. Considere a graça, a misericórdia e a tolerância de Deus. Considere como você desconsiderou e desprezou o perdão, a bondade, a paz e a alegria que Deus quis te dar, simplesmente porque você quis acalentar um ou mais pecados no coração. Considere o que você está perdendo ao decidir abrir mão da graça; ou ao contrário, considere as vantagens de abrir mão do pecado e buscar o perdão de Deus e caia de joelhos e confesse agora todos eles! Que alívio encontrarás!

As pessoas têm dificuldades de aceitar leis, até mesmo as do lar. Tal tendência se vê na infância, na adolescência com mais força e materializada nos adultos. Rebeldia, revolta e insubmissão caracterizam a todos em todas as fases da vida. Sendo que até as leis civis são desconsideradas, ignoradas e quase sempre odiadas, que dizer da lei de Deus? Entretanto, a obra apropriada dos Dez mandamentos, “é desmascarar a culpa do pecado, despertar e humilhar a alma por causa dele, ser um espelho que reflita exatamente o pecado. Caso você se recuse a lidar com ele nessa base, não será pela fé, mas pela dureza de seu coração e pelo engano do pecado” (John Owen). Então se você quer se ver livre desta dureza de coração, precisas de um novo coração (Salmo 51:10). Então peça que Deus tenha misericórdia (v. 1) de ti e não te lances longe de Sua presença, nem retire de ti o Espírito Santo (v. 11). Peça para ser lavado de tuas iniquidades, perversões e transgressões (vs. 2-7). Suplique a Ele que torne a dar a alegria da salvação e te sustente com um espírito voluntário (v. 12). Seja transparente em tua oração a Ele (vs. 13-14). Para reconhecer essa necessidade precisas conectar tua “consciência à lei e proteger de todos os disfarces e exceções, até que ela reconheça a própria culpa com clareza e eficácia de entendimento, a fim de que, a partir daí, conforme diz Davi, seu pecado sempre o persiga” (J. Owen). É um pena que muitos cristãos desconsiderem a lei de Deus e a verdadeira obra do Espírito Santo!

Você perdeu a alegria, a paz, a felicidade e a vontade de viver? Faça o que precisa ser feito para restaurar tudo isso. O que se deve fazer? Leia o Salmo 51 e terás todas as respostas necessárias para restaurar a alegria de viver. Esse salmo se divide em cinco partes, nas quais estão as lições divinas de vida deixadas por Davi a nós, inspirado por Deus:
1. Confesse a Deus os teus pecados (vs. 1-6); apele a Deus por misericórdia ao reconhecer os teus pecados, erros, falhas, omissões e transgressões.
2. Purifique-se de teus pecados no perdão divino (vs. 7-10); para isso, clame a Deus a fim de que a) remova o teu pecado, b) restaure a tua alegria, e, c) renove teu espírito.
3. Implore a Deus a fim de que o Espírito Santo não se afaste de ti, preocupe-se mais com isso do que com tuas dívidas.
4. Comprometa-se com Deus ao descomprometer-se com o pecado (vs. 13-15); faça como Davi, a) comece a ensinar aos outros o caminho de Deus, b) cante sobre o perdão divino, e, c) louve ao Senhor por Seu amor.
5. Confie sempre em Deus e desconfie sempre do pecado (vs. 16-19); convença que Deus pode perdoar todo e qualquer pecado e a pessoa, família, igreja, cidade e país que render-se a Ele e não ao pecado será restaurada, transformada e edificada.
O que você está esperando para abrir mão do pecado e lançar mão da graça e do perdão de Deus? Busque, aceite e vive o perdão de Deus e tua vida será plena de alegria, paz, felicidade e prazer.

Curta e compartilhe:
Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
“Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Ministério de Oração  -A serviço do Reino de Deus

RPSP- Salmos 51


Reavivados por Sua Palavra #rpsp
Leitura Bíblica  - Salmos 51
Comentários: Garth Bainbridge
Ao contrário do dez salmos anteriores, os salmos 51 a 63 são todos atribuídos a Davi. Além disso, eles são muito pessoais, referem-se a eventos específicos da vida de Davi. O salmo 51 é uma oração de confissão sobre seus pecados no caso de Bate-Seba. Seu lamento, brotado do fundo do coração, é tão atemporal e universal quanto a nossa condição humana; cada palavra reflete nossa busca pelo perdão e restauração plenos.

O sistema sacrifical do Velho Testamento fazia provisão de expiação para todos os pecados, exceto dois: estupro (ou incesto) e assassinato. Ambos os crimes roubam a vida de uma pessoa, de uma forma ou de outra. Então para estes crimes nenhum sacrifício de animal era aceito. A pessoa deveria ser morta.

Deus havia estabelecido uma legislação que apontava o caminho para o perdão e a restauração. Entretanto, ao pecar contra Bate-Seba e seu marido Urias, Davi colocou-se numa situação para a qual esta legislação não oferecia uma solução. Assim, ele se lança sobre a misericórdia, graça e bondade de Deus. Na oração de Davi não se vê nenhuma pitada de auto- justificação, ele apenas suplica pela graça de Deus: "Tem misericórdia de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade, de acordo com Teu amor infalível; de acordo com tua grande compaixão apaga minhas transgressões."

Ele não minimiza seu pecado, mas exalta seu Salvador.

O amor infalível de Deus – Seu hesed - é o amor que nunca cessa e nunca desiste de nós, seus filhos. "Pode uma mãe esquecer o bebê em seu peito e não ter compaixão do filho que gerou? Ainda que ela se esquecesse, eu não te esquecerei!" (Is 49:15).

Algumas palavras significativas marcam o processo de arrependimento e cura: Do lado do resgate do processo: "apagar..., lavar..., limpar"; e do lado da recuperação:  "criar..., renovar..., restaurar..., sustentar." Davi suplica por perdão e renovação, para ser definido como justo tanto perante Deus quanto perante si mesmo.

Davi não tem nada a trazer para Deus a não ser seu coração quebrado, o qual ele acredita que o Senhor não desprezará. Deus não quer que pensemos que podemos comprar Seu favor com algum tipo de oferta de paz; tudo o que Ele quer é que levemos nosso quebrantamento a Ele para cura e renovação. Então teremos uma história a contar que converterá pecadores a Ele e elevará louvores ao misericordioso  Senhor.
Garth Bainbridge

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Lições de vida- Salmos 50


Lições de Vida
Leia na Bíblia- Salmos 50-#rpsp
Comentários do Pr. (Heber Toth Armí)
 Deus ama, por amar corrige! Deus se interessa pelo bem de quem ama, então reprende. A desobediência é passível de disciplina. O Salmo 50 é uma reprovação a um povo que merece castigo pelo pecado. Deus repreende àqueles que uma vez assumiram aliança com Ele, mas com o tempo relaxou nesse compromisso. Antes da reprovação, há uma descrição do culto em que Deus se manifesta como Juiz (vs. 1-6). A transgressão foi a infidelidade ao compromisso moral da aliança (vs. 16-20), a qual jamais poderia ser compensada pela prática externa de adoração (vs. 8-15). A conclusão do Salmo é uma advertência aos obstinados no caminho do pecado e uma promessa de salvação aos fieis no compromisso com Deus (vs. 16-23). Como nos dias do Antigo Israel, o atual Israel de Deus, investe tempo em uma adoração vã, inútil, apenas externa. Rituais não significam nada diante de Deus se não houver relacionamento com Ele. Religião sem transformação é falsa, mecânica e sem vida. Religião que não religa o pecador ao Criador é passatempo, inútil. Como bem disse Charles Ryle, pessoas que se declaram cristãs e vão à igreja para observar os outros, cochichar, incomodar, bocejar ou dormir, e não para orar, louvar e ouvir, não são melhores que os judeus ímpios do passado. O pior de tudo é que Deus orienta, mas as pessoas O negligenciam. Então, Ele que conhece o coração diz: “Tu odeias a correção, e lanças as minhas palavras para detrás de ti” (v. 17). Desta forma, as pessoas nunca aprendem. E você, aprende?

O ato de adorar é universal, é natural do ser humano. A questão é quem, como e por quê adorar. A criação é o primeiro motivo pelo qual Deus merece ser adorado. E, a verdadeira expressão cúltica deve revelar publicamente Sua majestade. O louvor deve focar sempre nEle; O qual condiciona o adorador a um genuíno respeito diante da Sua santidade e a uma vida integralmente santificada, transformada pela influência da presença de um ser Santo e Glorioso. A falsa adoração é caracterizada por uma vida inadequada de quem alega servir a Deus. Leia o Salmo 50, ele é perfeito para esclarecer o assunto. Charles Ryle diz que: “Crianças e tolos, que apreciam a aparência mais do que a essência, podem achar que tudo está bem quando há grande exibição exterior de religião. Mas não é assim que Deus pensa”. Ele olha aos adoradores e vê quando o culto é realizado, mas condena tal culto. A acusação divina é devido aos rituais externos e vazios; só de aparência, superficial, sem conteúdo. Sobre o culto moderno Marcos de Benedicto diz que “a maioria das igrejas tem pouca gente que se engaja na adoração”. Tem muita gente perdendo tem na igreja com adoração inútil. A fim de resolver o problema, de Benedicto diz: “Adorar é penetrar no terreno mais sagrado do Universo e ter um encontro pessoal com o Deus vivo para receber um toque de vida”. Então, ao adorar, adore de verdade, intensamente, cheio do Espírito Santo; tenha um encontro real e íntimo com o Criador.

O que se tem chamado de adoração nos tempos atuais dificilmente Deus a reconhece como tal. O louvor, ao invés de transformar-se cada vez mais no ideal de Deus torna-se cada vez mais de acordo com o ideal humano. Ao invés de investir em adoração solene, enobrecedora e bíblica, as igrejas tem gasto dinheiro santo investindo em show, em ativismo piedoso sem conteúdo bíblico. As músicas lembram as músicas mundanas, por isso muitos programas são classificados como shows gospel, mas não adoração a Deus. Tais adoradores deveriam ler o salmo 50, aprender o que Deus diz e não o que o músico, o cantor ou qualquer ser humano diz. A adoração verdadeira surge de um coração regenerado, um coração santificado. A adoração pública ela é verdadeira quando é regada por longos dias pela adoração particular genuína. Sem isso, a adoração não passa de formalidades, rituais de culto, mas sem um encontro com Deus. Apesar de todo ativismo religioso, o povo passado esqueceu-se de Deus (v. 21); será que hoje os adoradores do presente não estão no mesmo caminho. Então, é tempo de buscar uma adoração bíblica, em harmonia com a Palavra de Deus. É preciso ser regido pelo Espírito Santo antes, durante e depois do culto; é isso que Deus aceita. O Senhor diz: "Aquele que oferece sacrifícios de louvor me glorifica, e àquele que bem ordena o seu caminho eu mostrarei a salvação de Deus" (v. 23). Depois de ler essa mensagem, não se esqueça de teus amigos adoradores!
Curta e compartilhe:
Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
“Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Ministério de Oração  -A serviço do Reino de Deus

RPSP-Salmos 50


Reavivados por Sua Palavra #rpsp
Leitura Bíblica  - Salmos 50
Comentários: Garth Bainbridge
Este Salmo descreve um momento grandioso e solene quando Deus abre uma sessão do tribunal a fim de julgar seu próprio povo. A questão neste caso judicial é que Israel realiza todos os rituais do povo da aliança, mas não vive à altura das exigências da aliança. Eles são muito religiosos, mas não totalmente obedientes. Eles praticam as formas, mas não vivem a vida.

Em termos surpreendentes Deus apresenta a sua acusação contra o seu povo: “Que direito você tem de recitar as minhas leis ou de ficar repetindo a minha aliança? Pois você odeia a minha disciplina e dá as costas às minhas palavras!” (Sl 48:16-17, NVI). Tendo listados seus pecados específicos, Deus diz:” Vocês fizeram essas coisas, e eu fiquei calado; por isso, pensaram que eu era igual a vocês. Porém agora vou repreendê-los; vou mostrar-lhes os seus erros.” (v. 21, NTLH) Vocês conversam sobre temas religiosos e fielmente praticam a religião de vocês, mas tratam as minhas instruções como sem importância. Agora vou repreendê-los e acusá-los do mal que vocês tem feito e do bem que tem deixado de fazer.

Surpreendentemente, Deus nomeia as nações do mundo como Seu júri e como testemunhas no julgamento do Seu povo! Na realidade, o mundo nos observa e avalia. Até mesmo aqueles que não seguem a Deus esperam que nos comportemos de forma diferente do que as pessoas em geral e ficam desapontados quando não o fazemos. Afinal, a recomendação é: “não tenham nenhuma falha ou mancha. Sejam filhos de Deus, vivendo sem nenhuma culpa no meio de pessoas más, que não querem saber de Deus. No meio delas vocês devem brilhar como as estrelas no céu” (Filipenses 2:15, NTLH). Jesus nos convida a deixarmos nossa luz brilhar diante dos homens, para que nossas boas ações possam levá-los a louvar ao nosso Pai que está nos céus (Mateus 5:16). Infelizmente a igreja muitas vezes se comportou de uma maneira que danificou a reputação de Deus diante dos homens. Individualmente e como comunidade da Igreja temos a empolgante tarefa de resgatar e preservar o bom nome de Deus no mundo.

O inesperado remédio de Deus para a maldade religiosa do seu povo é que eles tragam oferendas de agradecimento e O agradeçam pelo que Ele tem feito. Isto faz com que Ele se torne real em nossa experiência. É possível estar envolvido nas formas de religião, sem nunca se envolver com Deus. Ações de Graças avivam a nossa confiança de que Deus irá intervir em nossas vidas, reconhecem a Sua atuação em nossas atividades diárias e levam a nossa adoração para fora das paredes da igreja, para nossas casas e ruas.
Garth Bainbridge

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Lições de Vida Salmos 49


Lições de Vida
Leia na Bíblia- Salmos 49-#rpsp
Comentários do Pr. (Heber Toth Armí)
Todos precisam saber que com esforço e recurso próprio ou desta Terra, é impossível escapar do abismo do pecado em que a humanidade está mergulhada. A educação, a cultura, o status, a fama, os talentos e as riquezas, tudo isso tem seu valor, mas para a salvação nada disso tem valor algum. Por mais dinheiro que a pessoa tenha, isso não garante que ela nunca irá morrer; por mais honra e poder que a pessoa tenha no mundo, isso não lhe aumenta um dia em sua vida. Embora em nossa cultura seja mais importante ter do que ser – ter riquezas ou fama vale mais do que ser honesto, fiel e cristão – a Bíblia, no Salmo 49, diz que ter não é tão importante quanto ser. Neste Salmo há dois versos interessantes, considere-os:
“Todavia, o homem, apesar das suas riquezas, não permanece; antes é como animais que perecem” [morrem] (v. 12);
“O homem que possui riquezas sem entendimento é semelhante aos animais que perecem” (v. 20).
Quem são as pessoas que o salmista as comparam a animais, sem entendimento?
1. Aquele que tenta alcançar a salvação com os próprios recursos (v. 14);
2. Aquele que ignora a morte como salário do pecado e busca o sucesso a qualquer custo (vs. 16-17);
3. Aquele que confia em si mesmo, que crê que suas próprias incredulidade superam a crença em Deus (vs. 18-19).
A mensagem do salmo é que, somente quem confia plenamente em Deus neste Planeta será livre do poder da morte e recebido por Deus no Céu (vs. 14-15). As palavras de sabedoria bíblica sobre o plano de salvação exige explicação – eis a função da pregação, a qual desde o começo é uma apelação ao coração pecador para aceitar a salvação (vs. 1-4).

Qual é a solução para acabar com a morte? O ser humano, por mais que tente, ainda não a fabricou a solução no mais sofisticado laboratório do mundo nem mesmo nas mais profundas premissas filosóficas. Então, está na hora de considerar a solução disponível do Céu: Jesus! Essa é a única maneira de livrar-se da tão terrível e temível morte. Se bem que para muitos seu verdadeiro significado perdeu o breu que a envolve devido a que católicos, boa parte dos evangélicos e todos os espíritas e demais religiões orientais e até mesmo as religiões indígenas creem na vida após a morte sem ressurreição. Desta forma, para a maioria da humanidade a morte significa vida no além, no paraíso, no limbo ou mesmo no inferno. Outras a tem como libertação,  momento quando a alma se liberta do corpo: presa temporariamente em vida e liberta para sempre na morte! Entretanto, biblicamente, nada redime o pecador, nem mesmo a morte (Salmo 49). Morte é morte. É a cessação da vida. Sendo que cessação é término ou fim; morte é o fim da vida, nunca o começo (vs. 11, 19). É um problema insolúvel à humanidade; não, porém, à mente divina (v. 15). Ninguém consegue driblar a morte, ela destrói toda e qualquer vida. Se as pessoas tivessem consciência do que, na realidade, é a morte, valorizariam mais a vida. Se cressem que só Deus tem a solução, apegar-se-iam mais a Ele; pois, só a morte do Seu Filho traz vida, mas isso só depois da ressurreição ou da segunda vinda de Cristo. Se fosse fácil resolver o problema da morte, não seria necessário Jesus ter morrido inocentemente a fim de nos garantir a redenção!

A salvação é a coisa mais importante que alguém pode ter. É o que de mais valor um pecador pode possuir, mas é de graça. Por quê? Porque, mesmo ajuntando toda a riqueza do mundo não será suficiente para comprá-la nem sequer para salvar apenas uma única pessoa. Entretanto, é de graça aos seres humanos, mas custou muito mais que todas as riquezas do nosso Planeta: custou o precioso e inocente sangue do santo e perfeito Filho de Deus. Leia o Salmo 49 e veja algumas verdades:
1. Não importa quão rico seja alguém na Terra, jamais poderá comprar sua salvação (v. 5);
2. Ninguém tem recursos e condições suficiente para salvar ou pagar a Deus o resgate de alguém, nem mesmo com a própria vida (v. 7).
3. Qualquer tentativa para salvar-se ou salvar alguém com os próprios recursos seria insuficiente, não dá para nada (vs. 8-9).
4. A sabedoria, intelectualidade e diplomas de ninguém pode salvar alguém, nem a si mesmo, o fim destes é como o fim dos loucos e brutos (v. 10).
Ninguém consegue se libertar da morte por conta própria. É por isso que o salmo em consideração começa da seguinte forma: “Povos, escutem bem isto! Ouçam, todos os moradores do mundo, tanto os poderosos como os humildes, tanto os ricos como os pobres! Os meus pensamentos são claros; falarei palavras de sabedoria. Vou dar atenção aos provérbios e, enquanto toco a minha lira, vou explicá-los”. É a você que o salmista dirige estas palavras, atente a cada uma delas; você não irá se arrepender!
Curta e compartilhe:
Imagens do Google – editado por Palavra Eficaz
“Antes de buscar a ajuda dos homens busque a ajuda de Deus.”

Ministério de Oração  -A serviço do Reino de Deus

RPSP- Salmos 49


Reavivados por Sua Palavra #rpsp
Leitura Bíblica  - Salmos 49
Comentários: Garth Bainbridge
Este Salmo parece pertencer ao livro de Eclesiastes ou Provérbios. De fato, o verso 4 diz: "Inclinarei os meus ouvidos a um provérbio; com a harpa exporei o meu enigma. (NVI).

A vida é realmente um enigma e requer sabedoria inspirada para entender o que está acontecendo. Se somos surdos à sabedoria, seremos apanhados pela publicidade e propaganda superficial , tais como: a beleza está em um pote de cosmético, a felicidade se mede pelo dinheiro que você tem ou a segurança está uma boa conta financeira [no original: “beauty in a bottle; happiness in your pocket; security of your finances”].

Este é o evangelho dos deuses deste mundo, deuses de ouro, ferro e madeira. Os sistemas de valores da nossa sociedade nos levam a definir sucesso em termos materialistas.

Somos lembrados neste Salmo que o rico vai perecer. Sua riqueza não comprará favores ou acomodações para além desta vida. "Não se aborreça quando alguém se enriquece e aumenta o luxo de sua casa; pois nada levará consigo quando morrer; não descerá [à sepultura] com ele o seu esplendor" (v. 16,17 NVI). Nos tempos antigos, as pessoas abasteciam seu túmulos com bens terrenos para tornar a pós-vida mais confortável. Mas os únicos que se beneficiaram disso foram os ladrões de túmulos.

Em relação à vida futura, os versos 7-9 nos dizem: "Homem algum pode redimir seu irmão ou pagar a Deus o preço de sua vida. Não há pagamento que o livre para que viva para sempre e não sofra decomposição" (NVI).

Um resgate é muitas vezes exigido por um sequestrador para a libertação da vítima. Que valor atribuímos à vida de um ser humano, especialmente alguém a quem amamos? São milhões de dólares demais ou muito pouco? O versículo 8 declara que o resgate de uma vida é caro, nenhum pagamento é suficiente. E quando se trata da vida eterna, como poderíamos dar a Deus um pagamento adequado para o nosso resgate? Só por um ato de Deus uma vida humana pode ser resgatada. "Mas Deus redimirá a minha vida da sepultura, e me levará para Si" (v.15 NVI).

Será que algum dia compreenderemos o quanto custa nos redimir da sepultura? "porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor" (Rm 6:23). Qual foi o preço de etiqueta deste presente? O que custou a Deus para que Seu Filho se tornasse um ser humano, se vinculasse para sempre a esta raça humana, e ao final, se submetesse a abuso degradante e uma morte horrível? Poderíamos penetrar as nuvens escuras que envolveram o Calvário e compreender a imensidão daquela hora? Acima de tudo, como Deus poderia suportar a agonia infinita de ver Seu Filho receber o impacto final do nosso pecado e rebelião?

O próprio Deus pagou pela nossa redenção. Qualquer coisa que ofereçamos como pagamento não poderia contribuir em nada para a nossa redenção.

A expressão "Deus amou o mundo de tal maneira" abre uma dimensão totalmente nova de existência para nós. A poderosa atração da sepultura é interceptada por Sua promessa de que “todo aquele que crê n'Ele não pereça, mas tenha a vida eterna”.
Garth Bainbridge
Pastor Ministerial
Sydney, Austrália
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...