Receba mensagens em seu Email

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Projeto RPSP- 2 Samuel 23


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias.

Hoje vamos ler:  2 Samuel 23--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/23


Este também é um capítulo duplicado. Isso significa que o Espírito Santo sentiu que seria bom incluir uma segunda vez as mesmas informações de 2Sm 23 em 1 Crônicas 11.

Uma parte que o escriba não incluiu em Crônicas foi a escatologia das "Últimas Palavras de Davi" de 2 Sm 23:2-7. Nestes versos, sabemos que Davi está falando do fim de todas as coisas porque no verso 7 ele usa termos específicos para descrever a destruição final e erradicação do mal: "serão totalmente queimados onde estiverem" (NVI).

Esta passagem nos sugere que a própria Trindade falou com Davi, porque o verso 2 se refere ao Espírito (ruah), e ao Verbo (wemilato), e, o verso 3, a Deus, a Rocha (Tsur) de Israel. A mensagem de Davi tinha um futuro reino messiânico em mente (versos 3-4), mas Davi a interpretou com esperança como se fosse aplicável à sua "casa" (verso 5). A monarquia de Israel, que começou com Saul, não estava no plano original de Deus; foi apenas pacientemente tolerada até que Deus estabelecesse a verdadeira monarquia de Israel sob o Messias.

Outro ponto importante a destacar de 2 Samuel é que naqueles dias algumas pessoas tinham dois nomes: por exemplo, Josebe-Bassebete era também chamado Adino. [NT: algumas versões, como a NKJV, trazem o texto adicional para o verso 8: “este era chamado Adino, o eznita”]. Em 1 Crônicas 11:11, temos outro apelido de Josebe como Jasobeão. Ao longo dos anos, diferentes escribas servindo no palácio de Davi e Salomão usaram diferentes grafias e diferentes formas de nomes.

Outra diferença tem a ver com números. Em 1 Crônicas 11:11 se diz que o chefe dos capitães matou 300 de uma só vez, enquanto que em 2 Samuel 23:8 se diz que o chefe dos capitães matou 800 de uma só vez. Era tão comum haver discrepâncias na contagem do número de vítimas em guerra ou desastres naturais no antigo Oriente Próximo como é hoje. Também é preciso lembrar que, posteriormente quando um escriba  em Crônicas, por exemplo, fosse escrever o que estava sendo lido para ele de um relatório anterior, como de Samuel 23, haveria dificuldades de pronúncia e audição.

O Espírito Santo chama a nossa atenção para a realidade de lapsos de audição, escorregões de mão, lapsos de memória em práticas de cópia de escriba. A Palavra de Deus ainda está aí? Sim! É confiável? Absolutamente sim! Esses fenômenos na Bíblia não são exclusivos desses capítulos em duplicata. Alguns relatórios foram escritos em tempos de paz e outros em tempo de aflição e de guerra. A inspiração do Espírito Santo, enquanto Editor, exibe uma ampla compaixão para a humanidade, de forma a deixar que o homem fale para o homem em seus próprios termos, com suas imperfeições e, apesar dessas imperfeições, é o impacto do Espírito Santo na mente e no coração através da iluminação, o que realmente conta.

Como Davi disse: "Lâmpada para os meus pés é a Tua palavra e luz, para os meus caminhos" (Sl 119:105). Além disso, "Guardo no meu coração as Tuas palavras, para eu não pecar contra ti" (Sl 119:11).

Querido Deus,
Espírito Santo, Editor da Palavra de Deus por mãos humanas, Tu tens a capacidade de retirar a imperfeição e deixar nossas mentes com um perfeito entendimento, toda a verdade. Nós sempre precisamos de sua orientação. Em nome de Jesus. Amém

Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, Coréia do Sul


quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Projeto RPSP- 2 Samuel 22


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias.
Hoje vamos ler:  2 Samuel 22--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/22


Aprendemos mais sobre a Palavra de Deus neste capítulo. Por que o Espírito Santo consideraria adequado repetir um capítulo em Sua Palavra? Este capítulo é repetido no Salmo 18. Entretanto, há diferenças entre os dois e talvez esteja aí a lição para nós.

- O Salmo 18 é litúrgico e o título diz: "Para o chefe dos músicos. Salmo de Davi, servo do Senhor." Já 2 Samuel 22 é um capítulo histórico e apenas diz:" Davi disse ao Senhor."

- O historiador em 2 Samuel fala do livramento de Davi, da mão de Saul, dado pelo Senhor (v. 1), mas no Salmo 18, Saul não é mencionado.
- No verso 5 de 2 Samuel fala sobre "ondas da morte", mas no Salmo 18 diz "os laços/cordas da morte".

- 2 Samuel 22:8 fala dos "alicerces/fundações dos céus", mas no Salmo 18:7 temos "os alicerces/fundações dos montes."
- Em 2 Samuel 22:11 diz que o Senhor "apareceu/foi visto sobre as asas", mas no Salmo 18:10: "Ele cavalgava/montou um querubim."

Quando num momento posterior, o escriba fez a cópia de 2 Samuel ele adaptou as palavras para criar o cântico a ser usado na liturgia.

A escolha e adequação de palavras para uso em um hinário são também feitas hoje em dia. É comum nas igrejas a composição de hinos usando textos bíblicos, por exemplo, transformar o Salmo 23 em uma canção. A palavras são alteradas para se ajustarem à música e ao público. Velhas palavras são trocadas por palavras contemporâneas. Todo mundo canta sem reclamar disso. Então não precisamos criticar quando o Espírito Santo seleciona este hino para incluí-lo posteriormente em Sua Palavra, no Salmo 18.

Outra utilidade de trechos duplicados é que a comparação entre eles permite a recomposição de textos perdidos ou de difícil interpretação. Esta foi uma tarefa árdua para os judeus quando estavam no exílio. E também ocorreu em outros lugares, como, por exemplo, na biblioteca assíria de Nínive. Nela se encontrou um texto sobre o pai de Assurbanipal que foi copiado nos dias do último rei de Babilônia. Através da comparação dos dois textos, estudiosos verificaram a existência de condensações e inserções de palavras para tornar as coisas mais claras. Isso também ocorre, por exemplo, nos quatro evangelhos.

Que lição podemos aprender com isso? Para demonstrar-nos como é importante ter cuidado com nossas vidas e com aquilo que escrevemos e dizemos, porque isso pode afetar a forma como as pessoas entendem/compreendem a Palavra de Deus.

Querido Deus
A maneira como vivemos afeta a maneira que pensamos; e nossa maneira de pensar afeta o modo que nós agimos; e o modo como fazemos as coisas determinam o que produzimos. Ajuda-nos a viver diariamente para Ti, de forma que nossas atividades de escriba não causem sofrimento à Palavra de Deus. Em nome de Jesus. Amém

Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, Coréia do Sul
Trad JAQ – Rev GASQ

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Projeto RPSP- 2 Samuel 21


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias.
Hoje vamos ler:  2 Samuel 21--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/21

Texto de hoje http://revivedbyhisword.org/en/bible/2sa/21/

Neste capítulo, aprendemos mais sobre os historiadores da vida de Davi. Chegamos a pensar que eles eram por vezes desorganizados e não cronológicos. E eles tinham, sim, um sistema de cronologia.

Antes disso, tomamos conhecimento de uma situação nada agradável, envolvendo os inimigos de Saul e seus filhos, registrada com o provável propósito de reconhecer politicamente que Mefibosete havia sido poupado. Os gibeonitas, um remanescente dos amorreus, haviam feito um acordo mútuo com os israelitas durante o tempo de Josué. Sem nenhuma justificativa conhecida, Saul havia massacrado alguns dos habitantes desta cidade, que estava no território de Benjamim. A fome sobre a terra foi o castigo de Deus pelos atos de Saul.

Na sequência,  Davi cedeu ao pedido dos gibeonitas de lhes entregar sete homens da família de Saul para serem enforcados, como uma reparação daquilo que Saul havia feito para eles. Davi, ansioso pela paz, concordou com o pedido, mas não lhes deu Mefibosete. Foi nos primeiros dias da colheita da cevada (2Sm 21:9) que estes sete homens foram enforcados na encosta de um monte para mostrar a todos que a justiça tinha sido feita. Dois dos filhos de Rispa, filha de Saul e sua concubina, Aiá, também foram enforcados. Rispa, acampou-se dia e noite sobre uma rocha para manter os pássaros e animais longe dos corpos (versículo 10).

Antes disso, os homens de Jabes-Gileade haviam ido furtivamente até a cidade de Bete Seã à noite, onde os filisteus tinham prendido os corpos de Saul e Jônatas em um muro, e roubaram os corpos, descendo-os do muro e trazendo-os para casa e dando a eles uma sepultura honrosa. Depois deste episódio com os gibeonitas, Davi foi a Jabes-Gileade, recuperou os ossos de Saul e Jônatas, acrescentou-lhes os ossos dos sete homens, e os enterrou dignamente, no túmulo do pai de Saul (v. 12-14). Então “Deus respondeu às orações em favor da terra de Israel” (v. 14 NVI).

Por que Deus aparentemente se agradou com a morte de sete descendentes de Saul e ouviu as orações para a terra? Na verdade, não foi Deus, mas os gibeonitas é que ficaram satisfeitos com a justiça e se voltaram para Deus, e Deus respondeu.

O historiador tem aqui mais um ponto para discutir conosco, ou seja, quem estava envolvido nas guerras de Israel com os filisteus*. O destaque aqui é que os soldados de Davi não quiseram mais que ele continuasse a sair para o campo de batalha porque Davi facilmente se cansava. Então o escriba nos conta dos homens que receberam o legado de Davi de lutar contra gigantes. Por exemplo, Abisai, filho de Zeruia, matou o gigante Isbi-Benobe, que tencionava matar Davi (v. 16). Em outra batalha, o gigante Safe foi morto por Sibecai (v. 18). Em outro confronto, Elanã matou o irmão de Golias, de Gate (v. 19). A última batalha desta lista ocorreu em Gate, onde Jônatas, filho de Simei matou um gigante que tinha seis dedos em cada mão e seis dedos em cada pé. Cada um desses gigantes estava armado com armas compatíveis aos seus tamanhos. Embora o nome do Senhor não seja mencionado nesta lista de guerras e confrontos, pode-se concluir que o Senhor protegeu Davi e lhe deu a vitória sobre seus inimigos através da mão de seus soldados.

Querido Deus,
Estamos vivendo em um mundo de divisões e mudanças de posicionamentos e acordos. Também a religião verdadeira está comprometida em todos os níveis, mas através de tudo isso, temos a certeza que irá guiar, conduzir, proteger e também cuidar de nós, em nossas necessidades diárias. Em nome de Jesus. Amém
Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, Coréia do Sul

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Projeto RPSP 2 Samuel 20


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias
Hoje vamos ler:  2 Samuel 20--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/20


Até agora nós aprendemos muito sobre o historia da vida de Davi. Pouco depois da morte de Davi ele selecionou peças que os escribas escreveram em relatos isolados e agendas diárias. Os escribas do palácio e os escribas militares que acompanhavam Joabe forneceram algumas dessas fontes. (Esta pesquisa sobre fontes é o que Lucas fez quando escreveu o seu evangelho, Luc 1:1-3). Precisamos, entretanto, nos lembrar que o Espírito Santo é o editor e ele supervisionou que o historiador não se concentrasse apenas romanticamente em Davi como grande estrategista ou apenas sobre as boas ações do rei. O Espírito Santo relatou os fatos com realismo, sem omitir as más escolhas feitas por Davi.

O capítulo começa com uma mini rebelião liderada por Seba, que tirou os homens de Israel da posição de apoiadores de Davi, por suas costas. O Espírito Santo e o escriba usaram a palavra Belial para descrevê-lo, o que significa, literalmente, "não vale a pena" (v. 1). Davi voltou para sua casa em Jerusalém, tomou as dez mulheres, suas concubinas cerimoniais ​​de cada tribo de Israel, trancou-as e nunca mais esteve com elas. Elas viveram, a partir dali, como viúvas. Normalmente, estas mulheres de casamentos cerimoniais eram fontes de informação sobre as notícias do palácio para cada tribo de onde vinham. A vida familiar do rei já era um caos e sua situação deteriorou-se ainda mais.

Davi queria sufocar rapidamente a rebelião de Seba antes que ela pudesse se espalhar. Então ele passou por cima de Joabe, seu próprio general, perdoou a Amasa, o ex-general de Absalão e lhe pediu para reunir os homens de Judá e ir atrás de Seba. Mas por alguma razão, Amasa se atrasou (2 Samuel 20:5). Joabe estava irado por Davi ter sido desconsiderado e seu jovem sobrinho ter sido colocado no seu cargo. Quando eles se encontraram em Gibeão, Joabe, como um Judas Iscariotes, deu um passo à frente, beijou Amasa e, enquanto fazia isso, empurrou a espada através de seu estômago (v. 10). Como o corpo de Amasa jazia sangrando no meio da estrada, os homens de Joabe paravam para olhar. Em seguida, um jovem leal a Davi, convocou o povo ao movimento. Então os guerreiros seguiram Joabe e o corpo de Amasa foi removido. O Espírito Santo quer que vejamos os resultados do pecado e as falhas de uma ação política errada.

Joabe e seus homens seguiram em frente e chegaram à cidade de Israel onde Seba estava escondido, Abel de Bete-Maaca. Eles estavam prestes a derrubar as paredes quando uma sábia mulher sábia. Ela disse que destruir aquela cidade era como destruir uma das mães de Israel e fazer isso seria destruir a herança do Senhor (v. 19). Joabe ouviu a mulher e defendeu-se que ele não queria derrubar ou destruir a cidade, mas apenas queria Seba. Se ele fosse entregue, Joabe iria embora. Então a mulher voltou para o interior da cidade, eles cortaram a cabeça de Seba e a jogaram por cima do muro. Tempos terríveis estes, por conta da lealdade à monarquia, um sistema escolhido pelo povo israelita, apesar de terem sido avisados das consequências de assim fazê-lo, nos dias de Saul (1Sm 8:11-18), pelo profeta Samuel. Após a morte de Seba, os homens voltaram para casa e Joabe voltou para Jerusalém.

O salário do pecado é a morte. Praticamente cada história bíblica tem algo deste aviso para compartilhar conosco. Não podemos deixar de concordar com Samuel, que a monarquia não é um sistema ideal e, em essência, nenhum sistema será satisfatório enquanto vivermos neste mundo de Satanás e de pecado.

Querido Deus
Sua Palavra é a verdade e Tu és o nosso Rei dos Reis. Nossa adoração a Ti está acima de nossa lealdade a qualquer outro governante político ou religioso. Dê-nos a sabedoria para observar os Seus princípios mesmos que os céus caiam. E que, em tempos de confusão, possamos falar com sabedoria.
Em nome de Jesus.
Amém

Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, Coréia do Sul

domingo, 27 de janeiro de 2013

Projeto RPSP- 2 Samuel 19


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias.
Hoje vamos ler:  2 Samuel 19--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/19


Este capítulo trata da reinstituição da realeza. Davi fugiu de Absalão e mais tarde, as pessoas o responsabilizaram por ter feito isso (v. 9). Elas queriam saber o porquê do silêncio do rei quanto a restaurar a monarquia. Davi lamentou a perda de seu filho Absalão, mas Joabe, seu sobrinho (2 Samuel 17:25), veio a ele e lhe perguntou porque estava agindo como um "bebê chorão". Joabe usou isso como uma terapia de choque para  trazer Davi de volta à realidade. Superar a emoção da perda de seu filho é uma coisa. Retornar ao seu escritório de trabalho no palácio era outra.

Davi não sabia agora quem eram seus amigos e quem eram seus inimigos. Então ele começou a trabalhar diplomaticamente, a partir de Judá. Ele enviou alguns homens de confiança para perguntar aos líderes de Judá por que eles não tinham sido os primeiros a recebê-lo de volta (v. 11). Davi instruiu os homens para falarem com Amasa, sobrinho de Joabe, e para lembrá-lo de que eles, Davi e Amasa, eram da mesma família e lhe perguntar por que ele não tinha vindo recebê-lo de volta. Ele ofereceu-lhe o cargo de general do exército em lugar de Joabe. Judá atendeu às palavras do rei (v. 14), este foi para o rio Jordão e Judá veio escoltá-lo para casa.

O historiador da vida de Davi, então, registra a vinda de Simei que desceu ao Jordão para declarar lealdade ao rei, junto com os homens de Judá e 1.000 homens benjamitas. Admitindo sua culpa, ele veio receber Davi. Abisai, irmão de Joabe, sugeriu matá-lo (v. 21), mas Davi não o permitiu.

O próximo que veio saudar o rei foi Mefibosete. Suas necessidades físicas haviam sido muito negligenciadas, mas ele foi graciosamente restaurado por Davi. Durante a rebelião, Davi havia dado toda a propriedade de Mefibosete a Ziba, seu servo (2 Sm 16:4), mas agora ele determinou que Ziba lhe devolvesse a metade. Porém, Mefibosete disse que Ziba poderia ficar com tudo, pois o rei, de quem ele tudo dependia, já havia retornado (v.30).

Um avô de 80 anos, Barzilai, que sustentara Davi em Maanaim, veio e também saudou o rei. Davi queria que ele fosse com ele para o palácio, mas Barzilai preferiu ficar em sua terra e abrir mão dos privilégios da corte (comida, bebida, cantores e cantoras, v. 35), argumentando que não eram mais desfrutáveis por alguém de sua idade, mostrando que "uma árvore adulta não é fácil de arrancar."

Todo o povo de Judá e metade do povo de Israel vieram saudar o rei. Mas as pessoas se dividiram em dois grupos: norte e sul. As tribos do norte se ressentiram de que o sul agisse como se fossem os únicos responsáveis ​​do rei, desprezando o fato de que elas compunham 8/10 da nação (v. 43). Percebemos aqui que o escriba queria mostrar as raízes da futura divisão de Israel.

Querido Deus

Como somos fácil e apressadamente levados a pensar de forma tendenciosa a partir de "verdades transmitidas pelo twitter", em vez de escavar profundamente em Tua Palavra! Dá-nos a generosidade e desprendimento de Mefibosete e da misericórdia de Davi para superar as divisões com a atitude de Cristo. Em nome de Jesus. Amém

Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, Coréia do Sul

sábado, 26 de janeiro de 2013

Por que devo orar



 "se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra."2 Crônicas 7:14

 Deus diz na Bíblia que devemos orar

“Quero, pois, que os homens orem em todo o lugar, levantando mãos santas, sem ira nem contenda” (I Timóteo 2:8).1 “Orai sem cessar” (I Tessalonicenses 5:17).

“Não estejais inquietos por coisa alguma, antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas, diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças” (Filipenses 4:6).

A oração afeta a qualidade de nossas vidas. Jesus, nosso exemplo, orava. Se a oração não faz diferença, por que Jesus orava, às vezes, a noite toda, e no Getsêmani a ponto de verter sangue como suor? Não estava Ele ciente dos planos e propósitos de Seu Pai?

 A oração de Jesus mostra que orar é mais do que pedir algo — é estar em constante comunhão com Deus. Ela também mostra que somente pela dependência de Deus podemos receber força e poder para cumprir nossa missão e propósito nesta vida. 

As orações no Getsêmani e na cruz são exemplos fundamentais. 

Devemos orar uns pelos outros. Naturalmente, a oração inclui a exposição de nossas necessidades diante de Deus.

Daniel orou, plenamente cônscio de que Deus conhece todas as coisas. Paulo orava continuamente em seu próprio favor, sua missão e suas congregações, embora soubesse que todas elas estavam nas mãos de Deus.


 Tiago 5:13-20 Paulo inspirado por Deus ensina:

Está alguém entre vós aflito? Ore. Está alguém contente? Cante louvores.
Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor;
E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.
Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.
Elias era homem sujeito às mesmas paixões que nós e, orando, pediu que não chovesse e, por três anos e seis meses, não choveu sobre a terra.
E orou outra vez, e o céu deu chuva, e a terra produziu o seu fruto.
Irmãos, se algum dentre vós se tem desviado da verdade, e alguém o converter,
Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados.

Faça de hoje um dia de amor e de compreensão. Use-o para a oração intercessora. Coloque diante de Deus o nome de alguma pessoa que você ama e que não se deixa ajudar. "se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra."2 Crônicas 7:14




Projeto RPSP- 2 Samuel 18


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias.
Hoje vamos ler:  2 Samuel 18--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/18


O escriba que acompanhava Davi registrou fielmente todos os eventos na vida de Davi que ilustraram os tristes resultados de atos pecaminosos. Este capítulo termina com as lágrimas de Davi. Amargas lágrimas. Uma combinação complicada de fatores levou a essa amarga experiência emocional.

Primeiro, nota-se que a árvore familiar de Joabe está envolvida. Abisai, irmão de Joabe, foi escolhido por Davi para ser general de um terço de seus homens e o próprio Joabe, de outro terço. Do outro lado, o sobrinho de Joabe, Amasa, foi colocado como general do exército de Absalão. Há, portanto, uma luta familiar acontecendo nesses capítulos (15-18).

Davi queria participar pessoalmente com seus homens da luta contra Absalão e seu exército, mas os homens de Davi insistiram que ele deveria ficar e se proteger estrategicamente dentro da cidade em que estava, Maanaim (v. 3). Assim, ele ficou ao lado da porta, acenou para eles e depois em voz alta gritou para Joabe, Abisai e Itai, os três generais, que deveriam tratar o seu filho Absalão com brandura. Milhares de pessoas ouviram estas palavras saírem da boca de Davi.

A próxima informação nos vem de um escriba militar que relatou a batalha e que a maioria dos homens de Absalão morreu na floresta (v. 6-8).

Absalão fez, então, uma coisa muito imprudente: ele fugiu dos homens de Davi, montado em um burro, através de uma espessa floresta de velhos carvalhos. Os carvalhos (na Palestina e em outros lugares) crescem não só na altura, mas também horizontalmente e correr montado em um burro por uma floresta como esta só poderia criar problemas. Absalão ficou preso na forquilha de um dos ramos horizontais, pendurado por seus cabelos longos. Joabe e os 10 jovens com ele foram avisados disto por um homem que havia visto Absalão, mas havia se recusado a matar o filho do rei. Joabe, então, o matou. Ele, então, tocou a trombeta e deteve seu povo de perseguir os fugitivos de Israel, terminando, assim, a guerra.

Aimaás, filho do sacerdote Zadoque, queria correr para avisar a Davi (v. 19), mas Joabe mandou um etíope, um povo de grandes corredores, ainda hoje, que tomou o caminho normal.  De tanto Aimaás insistir para também correr, acompanhando o etíope, que Joabe deixou-o ir. Ele conhecia um caminho mais rápido e chegou primeiro a Manaaim para dar a Davi as tristes notícias sobre seu filho. “Davi estava sentado entre a porta interna e a externa da cidade” (v. 24 NVI), à espera de notícias. Podemos imaginar o otimismo de Davi, que ao reconhecer Aimaás disse: "Este é um bom homem e vem com boas notícias". Quando Davi perguntou a respeito do seu filho, Aimaás declarou que havia acontecido grande confusão e não sabia muito mais. Em seguida, o etíope veio correndo e disse que o Senhor naquele dia livrara a Davi de todos que se levantaram contra ele (v. 31) e que desejava que todos os inimigos do rei morressem como aquele jovem (v. 32).

Este capítulo termina com o fortemente emocionado choro de Davi, no quarto acima da porta. Davi chorou alto, disposto a morrer como substituto por seu filho. Somos lembrados aqui de Alguém que disse o mesmo quando Adão pecou e aceitou um dia morrer como nosso Substituto.
 
Querido Deus,
Nós também somos afetados, por vezes, por problemas familiares e separação de nossos entes queridos devido ao pecado. Muitas vezes guerras emocionais se abatem sobre nós e nos deixam arrasados.Todos nós precisamos do Substituto que morreu por nossos pecados, para nos livrar e aos que aos rodeiam dos efeitos de nossa culpa e nos reconciliar com Ele, para que possamos também nos reconciliar uns com os outros.
Em nome de Jesus,
Amém.

Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, Coréia do Sul
Trad JAQ – Rev GASQ

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Projeto RPSP- 2 samuel 17


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias
Hoje vamos ler:  2 Samuel 17--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/17



Os fatos do capítulo de hoje ocorreram em um tempo em que as pessoas colocavam o conselho de um homem em posição de igualdade com a palavra de Deus (2Sm 16:23). Quando Aitofel falava, as pessoas sempre pensavam que isto era um bom conselho (versículo 14), e foi dessa maneira que Absalão e todos os anciãos de Israel pensaram. Este capítulo contém vários eventos que chocam. O primeiro deles é o conselho do ex-assessor de rei Davi para que Absalão mate o rei (v. 2)! O segundo evento chocante é que este decreto de morte ao rei agradou tanto a Absalão quanto aos anciãos (v. 4). Anciãos são normalmente pessoas experientes. Surpreende como estava prejudicado o seu julgamento que se esperava sóbrio e sensato.

Assim como acontece com as ditaduras também acontece com as monarquias, ou seja, opositores e partidos de oposição não são tolerados. Essas pessoas devem ser mortas, mesmo que isso signifique matar o próprio pai, como no caso de Davi. Mas Davi tinha uma rede de espionagem montada por ele, baseada na permanência de Husai no palácio. Ele deveria obter informações e repassá-las aos sacerdotes Zadoque e Abiatar, que enviariam estas informações através de uma criada aos seus filhos, Jônatas e Aimaás. Eles as levariam a Davi (versos 15-18).

Husai foi então chamado por Absalão para ouvir se o plano de Aitofel era bom ou não. Husai discordou publicamente, destacando que Davi era um general guerreiro experiente e que o plano não funcionaria. Agora vem o terceiro evento surpreendente: Absalão e os homens de Israel, de forma imprevisível, acharam tão razoável o discurso de Husai, que mudaram sua forma de pensar e apoiaram Husai, o homem leal de Davi, contra Aitofel, o rebelde contra Davi. Neste ponto a superstição influenciou no julgamento, pois julgaram que os "bons conselhos" de Aitofel haviam sido ordenados pelo Senhor para trazer desgraça a Absalão. Para se opor ao conselho do Senhor (na visão deles), eles decidem seguir Husai e não Aitofel (v. 14).

Jônatas e Aimaás arriscaram suas vidas para avisar a Davi que ele deveria fugir e atravessar o rio Jordão. Davi e o povo de Israel que estava com ele se levantaram de noite e cruzaram o Jordão. Ao amanhecer estavam todos do outro lado (v. 22). O próximo evento chocante foi a reação de Aitofel quando ele viu que o povo não seguiu seu conselho. Ele tinha o peso da contrariedade (por seu conselho não ter sido seguido) e da condenação (consequência da vitória certa de Davi) em seus ombros e sofreu, assim, o resultado final de sua personalidade manipuladora e dominadora. Assim, ele cometeu suicídio (v. 23) (Note que suicídios não resolvem os problemas; apenas trazem choro e meses e anos de tristeza para aqueles que conheciam a pessoa).

Por fim, ficamos chocados ao saber que Absalão escolheu como general do seu exército a Amasa, que era sobrinho de Joabe, o general do exército de Davi.

Querido Deus
Nós, também, ficamos chocados, de tempos em tempos, por aqueles que nos rodeiam. Quando olhamos para dentro de nós mesmos, oramos para que retires de nós o espírito de manipulação, de controle sobre outros, de violência, do assassinato do espírito de livre escolha de outros. Mantenha nossos olhos sempre fixos em Ti, para que não confundamos os nossos julgamentos, que podem levar outros a ficarem chocados com nossos atos. Em nome de Jesus nós oramos, Amém.
Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, Coréia do Sul

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Projeto RPSP- 2 samuel 16


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias
Hoje vamos ler:  2 Samuel 16--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/16

Comentários : Koot van Wyk

Quando Davi chegou ao topo do monte, Ziba, o servo de Mefibosete, o filho do rei Saul que havia recebido a proteção real, aproximou-se de Davi. Ele falou que Mefibosete ficara em Jerusalém supondo que a situação iria favorecê-lo e que o novo reino de Israel iria lhe restaurar tudo o que pertencera à casa de Saul. Segundo Ziba, Mefibosete teria ficado em Jerusalém por razões egoístas (v. 3). Ziba trazia, para Davi, burros carregados com 200 pães, 100 cachos de passas, cem frutas de verão e um jarro de vinho (suco, calda ou geléia de uva) como remédio para quem estivesse fraco pela caminhada no deserto.

À frente, em outra cidade chamada Baurim, Simei, um homem do clã da família de Saul, amaldiçoou a Davi e disse que o Senhor o estava punindo Davi por causa do sangue que ele havia derramado da casa de Saul (v. 8). Um dos homens de Davi, Abisai, queria matar Simei por desonrar o rei, mas Davi não o permitiu porque o Senhor poderia ter colocado estas palavras na sua boca e, assim, se ele fosse contra o homem, iria contra o Senhor. É princípio bíblico sempre agradecermos ao Senhor, tanto pelos bons momentos quanto pelos ruins. “Considere uma bênção ser perseguido em nome do Senhor”, disse Paulo no Novo Testamento, um eco do que Jesus disse e do que Davi disse a Abisai (v. 11,12).

O escriba escritor deste capítulo, então, escreveu sobre a chegada de Absalão a Jerusalém naquele mesmo momento. Aitofel veio com ele e Husai veio para lhe prestar suas homenagens. Husai justificou sua atitude sustentando o princípio de que quem quer que o Senhor designe como líder de um país, este deve ser servido (v. 18). O escritor terminou, então, o capítulo com o material que tinha sobre Aitofel. A imagem que Aitofel foi capaz de retratar nos círculos mais altos da corte ao longo dos anos, é a impressão que tanto Absalão e Davi tiveram, ou seja, que aquilo que Aitofel dissesse, suas palavras deveriam ser entendidas como se o Senhor as houvesse dito (v. 23). Aitofel sempre pareceu pastoral, soou pastoral, agiu de forma pastoral, e foi capaz de convencer aqueles que estavam em torno dele de seu profissionalismo pastoral, pelo menos em nível humano.

O escritor da história e o Espírito Santo tiveram uma visão diferente. Absalão pediu conselho a Aitofel sobre quais deveriam ser seus próximos passos em Jerusalém e Aitofel deu-lhe um conselho muito mau. Absalão deveria montar uma tenda no terraço do palácio de seu pai e ter “relações com as concubinas” de seu pai, à vista de todo o Israel (v. 21 NVI). Este conselho pornográfico, vindo de quem era considerado pelo seu líder, Absalão, como um pastor, nunca poderia ter vindo do Senhor. O Senhor não se associa com perversão ou com pessoas pervertidas.


Querido Deus
Também nós, Senhor, estamos vivendo em uma sociedade doente, com as mesmas perversões do tempo de Davi sendo aceitas como comportamento normal. Ajude-nos a fugir da tentação como José, a aceitar as dificuldades e as maldições que as pessoas nos atiram com a mesma atitude que Davi teve e aceitar os líderes sobre nós designados por Ti. Em nome de Jesus oramos. Amém.

Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, Coréia do Sul

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Projeto RPSP- 2 Samuel 15


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias.
Hoje vamos ler:  2 Samuel 15--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/15
Comentários : Koot van Wyk

Sabemos que os eventos descritos ao final do capítulo 14 ocorreram quando Davi já estava morando em Jerusalém, cinco anos após a reconciliação entre Davi e Absalão (cf v. 7). Absalão havia matado seu irmão Amnon ao fazer justiça por suas próprias mãos, por meio de um assassinato premeditado. Ele também queimara o campo de Joabe e, em certo sentido, "roubara" a sua propriedade.

Este problema de roubo de Absalão, cresceu como o passar dos anos. "E aconteceu que, no final de 40 anos" (v. 7 NKJV e NASB*), no final do reinado de Davi, Absalão começou a roubar a lealdade dos corações dos cidadãos de Davi para si mesmo. Esta usurpação chegou ao ponto máximo quando Absalão pediu permissão a seu pai para adorar a Deus, cumprindo seu voto em Hebrom, sua cidade natal (2Sm 3.2,3). Davi de nada suspeitava, a despeito que o usual seria oferecer o sacrifício em Jerusalém, onde estava a arca. Absalão era muito esperto e astuciosamente organizou uma rebelião contra seu pai. E "a conspiração ganhou força" (v. 12 NVI).

Sabendo isso, Davi, decidiu fugir (v. 13). Muitas pessoas deixaram a cidade com ele, até mesmo um estrangeiro, que prometeu lhe ser leal, lembrando o que aconteceu no livro de Rute (v. 21). E Davi aceitou que cruzassem com ele o vale do rio Cedrom [NT: vale que existe entre a cidade antiga de Jerusalém e o Monte das Oliveiras] (v. 22, 23).

Entretanto, Davi mandou que os sacerdotes Zadoque e Abiatar voltassem a Jerusalém com a arca do Senhor (v. 25). E  também organizou uma rede de espiões que trabalharia próxima a Absalão, em Jerusalém, para mantê-lo informado dos planos de seu filho. Aimaás e Jônatas,  filhos dos dois sacerdotes, Zadoque e Abiatar, participariam das operações de espionagem (v. 36). Davi, criou, assim, um plano baseado na lealdade de seus colaboradores. Ele não tinha intenção de matar seu filho e pediu que Husai servisse ao seu filho como o havia servido (v. 34). Davi orou para que Deus transformasse em loucura as palavras de Aitofel que aconselhava Absalão todos os dias (v. 31).

Devemos novamente nos lembrar que o escriba e autor bíblico, reuniu informações e relatos os eventos ao redor do mesmo tema, para que tivéssemos uma seqüência de eventos que revelassem os acontecimentos da vida no palácio de Davi. O Espírito Santo operou no sentido de que houvesse transparência na descrição desses eventos. Por vezes, estes eventos não são apresentados em ordem cronológica, mas que não altera o quadro geral. A tolice, a cobiça, as atitudes de auto-engrandecimento, a esperteza, o roubo de lealdade, são práticas que nos fazem lembrar de outra de outra rebelião que começou no céu.

Querido Deus
Nós também estamos envolvidos, Senhor, no drama da grande luta que começou naquela rebelião celestial. Ajuda-nos  hoje , que busquemos ser  fiéis a Ti e não a nós mesmos; servir, ao invés de dominar; a pedir, ao invés de dar ordens. Em nome de Jesus oramos. Amém.

Koot van Wyk
Kyungpook National University
Sangju, South Korea

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Projeto RPSP- 2 samuel 14


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias.
Hoje vamos ler:  2 Samuel 14--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/14

Comentários : Koot van Wyk

Lembra-se da história comovente de Jesus sobre o filho pródigo relatada em Lucas 15:11-32? No Antigo Testamento, em 2 Samuel 14, encontramos um evento paralelo com  algumas semelhanças e algumas diferenças significativas

Absalão matou a seu irmão Amnom em um assassinato e teve que fugir para Gesur e lá viveu por três anos. O texto bíblico conta que Davi sentiu muito a sua falta (v. 1), mas ainda o mantinha à distância por haver ele matado seu primogênito. Joabe planejou mudar a atitude de Davi em relação a Absalão enviando uma mulher sábia para enganá-lo. Ela fingiu muita tristeza porque tinha dois filhos que haviam brigado e um deles morreu pela mão do outro. Agora, seus parentes queriam matar o outro também e deixá-la sem um futuro. Ela pediu ajuda a Davi sobre esta questão. Ele prometeu-lhe que nada aconteceria ao rapaz restante mas ela insistiu que queria mais ainda. Ela queria que Davi prometesse isso em nome do Senhor. E foi o que Davi fez. Então, ela lhe perguntou por que o rei não havia procedido assim com Absalão.

Ela, então, proferiu um pensamento de muita sabedoria: "Deus não tira a vida; ao contrário, cria meio para que o banido não permaneça afastado dEle" (v. 14 NVI). O que ela disse era a mais pura verdade e a essência do Evangelho. O Deus que ela descreveu e o Deus que Davi conhecia e por quem tinha sido perdoado eram o mesmo; sendo assim, o rei não poderia continuar rejeitando e banindo a seu filho Absalão. 

Davi então percebeu que alguém a colocara ali para dizer todas essas coisas e ele suspeitou de Joabe. Ela, de maneira honesta, confirmou isto. Deus estava falando através da mulher para mudar o coração de Davi. Então, ele chamou  Joabe e ordenou-lhe que buscasse Absalão e o trouxesse de volta. Joabe foi e trouxe Absalão de volta, mas o rei determinou que ele não viesse ao palácio, mas que ficasse em sua própria casa, onde efetivamente ficou por dois anos. Haviam agora se passado cinco anos desde que Davi havia visto o filho pela última vez.

Absalão desejava ver a Davi e pediu para Joabe organizar o encontro. Mas Joabe não veio. Ele o chamou uma segunda vez, mas Joabe não quis vir. Absalão estava muito ansioso para ver seu pai, tanto que ele fez uma coisa estranha para chamar a atenção de Joabe: ele incendiou o campo vizinho, que pertencia a Joabe. O que notamos é que o crime de assassinato premeditado teve um filho, ou seja, resultou em outro mandamento quebrado: tratar a propriedade de seu vizinho como se fosse sua.

Joabe agora faz algo para que pai e filho se reconciliem. Quando Joabe contou a Davi do pedido de Absalão para vê-lo, "chamou o rei a Absalão" (v. 33). O filho pródigo, depois de cinco anos de separação "veio e se prostrou com o rosto em terra diante do rei", em atitude que ele não era digno de ser chamado de seu filho. A reação de Davi foi semelhante à do pai do filho pródigo: "O rei beijou a Absalão". A reconciliação é algo divino. 

Querido Deus,
Também precisamos de reconciliação, contigo e com nossos semelhantes, homens e mulheres. No dia de hoje queremos, com a Tua ajuda, nos empenhar para promover a paz em todas as montanhas e colinas, em cada cidade e em cada aldeia e, acima de tudo, em nossos corações. Amém.

Koot van Wyk
Kyungpook Universidade Nacional
Sangju, Coréia do Sul


segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Projeto RPSP- 2 Samuel 13


Projeto Reavivados por Sua Palavra-
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias.
Hoje vamos ler:  2 Samuel 13--Leia ou ouça em: http://www.bibliaonline.com.br/acf/2sm/13

Comentários : Koot van Wyk

Escândalos em capítulo após capítulo estão vinculados a Davi. Mais uma vez este capítulo registra os momentos embaraçosos de um dos filhos de Davi, desta vez Amnom. Ele se apaixonou pela irmã de um dos outros filhos de Davi, Absalão. Ele fingiu estar doente e foi aconselhado por outra pessoa ruim, o sobrinho de Davi, Jonadabe. Jonadabe ouviu falar do amor de Amnom por Tamar e aconselhou-o a fingir estar doente. Davi mandou Tamar a Amnom para dar-lhe comida e cuidar da sua saúde, sem saber que estava jogando a vítima nas mãos dos conspiradores. Tamar e Amnom sentaram-se juntos na sala de estar para comer, mas Amnom colocou todos para fora e pediu que Tamar o seguisse até o quarto para alimentá-lo. Ele lhe pediu que se deitasse com ele e quando ela se recusou, ele a forçou e violou a sua virgindade (v. 14). A consciência de Amnom se endureceu e ele odiou a sua irmã. Ela tinha uma túnica de mangas compridas que as virgens vestiam que ela rasgou quando foi lançada para fora do quarto de Amnom e chorou. Ela foi até Absalão em grande aflição e ficou em sua casa. Quando Davi soube disso, ele ficou muito irado (v. 21).

Absalão odiava profundamente a Amnom pelo que ele havia feito para sua irmã e dois anos depois ele concebeu um plano perverso para convidar e levar todos os filhos de Davi, incluindo Amnom, para a festa da tosquia em sua fazenda. Então ele determinou a seus servos que matassem Amnom quando ele estivesse bêbado pelo vinho. Os servos mataram Amnom e os demais filhos de Davi se levantaram e fugiram em suas mulas. As notícias chegaram a Davi, que ficou terrivelmente chocado. Absalão ordenou a morte de Amnom por causa do estupro de Tamar. O perverso Jonadabe disse para Davi não chorar a perda de Amnom porque apenas um de seus filhos havia morrido nas mãos de Absalão, como já prenunciavam suas feições desde o estupro de Tamar (v. 32).

Absalão, então, fugiu para outra cidade e se escondeu lá por três anos. Após este período, Davi havia se consolado pela morte de Amnom e cessou de perseguir Absalão, sentindo muita saudade dele.

Esta é um história de “pontes queimadas”: estupro, incesto, assassinato por vingança, ódio, depressão e separação dos entes queridos. E aquele que inicialmente sugeriu o mal se tornou o confortador de Davi. Que irônico...

É como se este capítulo fosse a lista de desejo de compras de Satanás. E todas estas coisas aconteceram porque Davi abriu as portas de sua vida no capítulo 11. O pecado que liga todos estes eventos é encontrado em Davi ao este ceder à tentação de Satanás para trazer Bate-Seba para o palácio, o que lhe custou ao final toda essa experiência dolorosa.

Querido Deus
Ajude-nos a perceber que se tranquilamente testemunhamos maldades como as que aqui vimos e não fazemos nada,estamos, em essência, condescendendo com o crime e passivamente participando de sua aprovação. Guarde-nos entre Suas mãos. Amém.


Koot van Wyk
Kyungpook Universidade Nacional
Sangju, Coréia do Sul

domingo, 20 de janeiro de 2013

Projeto RPSP- 2 Samuel 12


Projeto Reavivados por Sua Palavra- 
Leitura de um capítulo da Bíblia todos os dias.
Hoje vamos ler:  2 Samuel 12--Leia ou ouça em:

Comentários : Koot van Wyk

Este capítulo está ligado aos pecados de Davi relatados no capítulo 11. É a intenção do Espírito Santo, nesta parte da Palavra de Deus, contar-nos a respeito do profeta Natã confrontando Davi acerca dos seus pecados. O escriba no palácio de Davi anotou cada palavra de Natã e cada palavra de Davi. O Senhor não estava satisfeito com as ações de Davi e enviou o profeta Natã para falar com ele. Coube ao profeta conversar com Davi a respeito de sua “roupa suja”, e olha que a sujeira era grande.

Natã conta a Davi uma triste história acerca de um homem rico e outro pobre. O rico tem muitas ovelhas, mas o pobre homem tem apenas uma ovelha de estimação. Davi ficou muito nervoso com este homem rico mau e arrogante que matou e comeu a ovelha de estimação do homem pobre. Isso era inaceitável para Davi, o qual sabia por experiência própria o valor de uma ovelha. Como juiz, Davi pronunciou a sentença de que o homem rico devia morrer ou restituir quatro vezes mais o valor da ovelha. Ao dar o veredito, Davi julgou e condenou a si mesmo. As palavras de Natã, "Você é esse homem" ficaram ecoando na consciência culpada de Davi.

Agora os papéis mudaram. O Senhor é o Juiz e Davi o acusado. O Senhor havia feito tantas coisas boas para Davi, sua nomeação como rei, sua libertação dos inimigos e tantos outros dons recebidos do Senhor... No entanto, esta má ação cometida com Bate-Seba não ficaria sem punição. A doença e a morte do filho de ambos, foi somente o começo de uma longa sequencia de eventos trágicos. Davi jejuou por sete dias e quando a criança morreu, ele finalmente consentiu em comer. Após algum tempo, a vida de Davi aparentemente voltou ao normal. Um ano mais tarde Salomão nasceu.

O escriba não encerra por aqui o relato dessa parte da história de Davi. Ele queria que nós soubéssemos como Davi sofreu e como seu pecado afetaram a sua consciência, tirando-a do equilíbrio. Davi sentia-se muito culpado e buscou abafar essa culpa, através de feitos grandiosos. Ele tentou projetar uma imagem de si mesmo como um general vitorioso conquistador de cidade após cidade dos Amonitas. Joabe já havia conquistado a cidade de Rabá, mas Davi não queria perder a oportunidade de ter seu nome ligado à vitória. Isso é roubar as realizações de outra pessoa; no caso, de seu general Joabe. Esta fama artificial foi acompanhada de atos severos de perseguição e brutalidade (v. 31). Davi fez isso com muitas cidades de Amom e depois voltou para Jerusalém. Quando lemos isso ficamos muito desapontados com o Rei de Israel. Não devemos esquecer, entretanto, que os excessos cometidos por Davi, foram consequência de uma mente atormentada pela culpa devido aos pecados cometidos. Evitemos o pecado a todo custo para não colhermos resultados semelhantes.

Querido Deus
Ajuda-nos a não cometer excessos em nossas vidas, não apenas por causa de nossa condição pecaminosa como filhos de Adão, mas também, às vezes, como consequência de nossos próprios pecados secretos. O pecado de Davi evidencia o quanto precisamos da graça divina e da orientação do Seu Espírito. Mantenha-nos protegidos em Tuas mãos. Amém.

Koot van Wyk, Kyungpook
Universidade Nacional de Kyungpook
Sangju, Coréia do Sul

sábado, 19 de janeiro de 2013

A Bíblia e a Oração


A importância da palavra na oração
A Bíblia, dentre tantas coisas que representa para nós, é nosso manual de oração.  Ela é fonte de autoridade, poder, alegria, conforto, salvação, libertação, cura, restauração, purificação, crescimento, fé, segurança, vitória, paz, vida e toda sorte de benção e deve ser, a fonte das nossas orações.  

Ela é eterna

Isaias: 40,8 “Seca-se  a erva, e cai a sua flor, mas a palavra do nosso Deus permanece eternamente. “

 Mateus 24,35 - Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão. 

A palavra traz luz aos nossos caminhos

Salmo 119:105 – “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para os meus caminhos.

A Bíblia é fonte de alimento

 Salmo 119,103 – “Quão doces são as tuas palavras ao meu paladar, mais que o mel à minha boca.”

 Salmo 119:130 “A revelação das tuas palavras esclarece, e dá entendimento aos simples.”

 Confesse diariamente a palavra sobre sua vida, medite nelas, até que se tornem vivas em seu espírito. Elas representam o que é legalmente seu, em Cristo Jesus.

Pela confissão repetida dessas verdades você começará a tomar posse delas. Há um princípio espiritual nisso: “Com a boca se confessa o que o coração crê” Você libera fé na Palavra, pela confissão de seus lábios.

Creia que você recebe  quando pede. 

Confesse a Palavra. 

Retenha firme sua confissão de fé na Palavra de Deus. 

Deixe que seu espírito,  pelo Espírito Santo ore.

  Buscar-me eis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso  coração. Jeremias 29,13

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...